TV Meu Xodó - A TV da nossa gente!

terça-feira, 4 de agosto de 2020

Grupo político liderado pelo pré-candidato a prefeito de Quixelô, Samuel Araújo, ganha reforço de peso

O grupo político liderado pelo pré-candidato a prefeito de Quixelô, Samuel Araújo, recebeu hoje (4) a adesão de Jurtânio Alves, ex-secretário da Agricultura da Prefeitura. Ele chega para se somar ao novo projeto que pode ser a solução para os problemas graves que vive aquele Município. 

A reunião de adesão aconteceu com participação do atual vice-prefeito de Quixelô, Jackson Melo. De acordo com Samuel Araújo, todas essas novas adesões são de pessoas trabalhadoras, lideranças políticas da cidade que têm muita força em diversas regiões. "Fico muito feliz em saber que eles vêm para somar e aflorar, ainda mais, a esperança de dias melhores", pontuou Samuel.

Governo estuda prorrogar auxílio emergencial até dezembro

Com a demora nas discussões sobre a criação do novo programa social do governo – batizado de Renda Brasil –, e sob o impacto dos ganhos de popularidade do presidente da República, Jair Bolsonaro, a equipe econômica já trabalha com a possibilidade de estender o Auxílio Emergencial até o fim do ano.

O estudo da prorrogação do benefício foi revelado nesta segunda-feira (3) pelos jornais "O Globo" e "Estadão" e o blog confirmou.

Para evitar que o rombo nas contas públicas neste ano atinjam R$ 1 trilhão, a ideia do governo é negociar com o Congresso um valor menor, entre R$ 200 e R$ 300. Mas, para modificar o repasse, é preciso aval dos parlamentares.

Na semana passada, economistas do mercado financeiro viam nas viagens de Bolsonaro um sinal de que não haveria clima para encerrar o auxilio emergencial. O benefício foi criado em meio à pandemia do novo coronavírus e trouxe popularidade ao governo em um grupo em que o presidente tinha pouca entrada.

Um dos argumentos da equipe econômica para reduzir o valor do benefício é o de que já há sinais de retomada para muitos setores.

Pandemia acelerou processo de modernização das empresas no Ceará

Rente a desafios sem precedentes impostos pela pandemia do novo coronavírus, empresas cearenses precisaram acelerar processos de inovação que acabaram não só salvando os caixas desses negócios, como ampliando o faturamento e até favorecendo a criação de novos empreendimentos no Estado.

O assessor especial da diretoria de Inovação e Tecnologia da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), Rafael Campos, aponta que a pandemia escancarou um atraso geral da indústria ainda maior do que se imaginava, de forma que adaptações, como a digitalização, tiveram de acontecer mais rápido para permitir a continuidade do funcionamento das empresas no isolamento social.

"Ainda temos muito que avançar. Até empresas que eram consideradas de ponta tiveram que se adaptar nesse período, reacomodando tecnologias. No ecommerce, por exemplo, precisa de uma logística estruturada para funcionar. Muitas foram construídas da noite para o dia, revelando atraso maior do que esperávamos. As empresas estão tendo que correr atrás agora".

Campos revela três níveis de gargalos principais no processo de inovação no Ceará. Segundo ele, a primeira camada consiste na própria cultura, na não aceitação do uso das tecnologias disponíveis. Ele pontua que até mesmo a população mais jovem não costumava usar aplicativos para fazer compras em supermercados, por exemplo, embora já estivessem disponíveis. "Não usavam simplesmente porque não tinham costume. Com a pandemia, esse uso melhorou por necessidade mesmo. É o entrave mais básico", esclarece.

Ele detalha dificuldades dos próprios empresários, que muitas vezes não possuem domínio das opções ofertadas pelo mercado, atrapalhando a escolha do que é melhor para cada situação. "Por fim, nós temos as tecnologias mais avançadas, que precisam do amadurecimento nos dois níveis anteriores para serem aplicadas, como tecnologia das coisas, inteligência artificial".

Oportunidade

O presidente da Biomátika (indústria do setor de cosméticos), José Dias, conta como uma nova linha inteira de produtos foi desenvolvida pensando no combate ao coronavírus e já está disponível desde abril. "A gente percebeu que, com a falta de álcool em gel no início, as pessoas precisavam de algo para higienizar as mãos. E a primeira recomendação das autoridades de saúde é realmente água e sabão. Então, desenvolvemos esses produtos em plena pandemia", destaca.

Os novos produtos passaram a ser o carro-chefe da marca, que precisou ampliar em 20% o número de funcionários para atender à demanda. Dias ainda revela que o faturamento da empresa aumentou 70% no período, com as vendas tanto no atacado, para empresas que precisam reforçar a higienização em seus ambientes, quanto no varejo, chegando ao consumidor por supermercados e farmácias.

Alimentos

Apesar de ser um dos setores menos impactados com a pandemia de Covid-19 no Estado, o setor de alimentos também precisou repensar algumas práticas durante a crise. O bem-estar dos funcionários, a redução nos custos de produção e a sustentabilidade ambiental foram alguns dos pontos lapidados pelas empresas.

De acordo com o presidente do Sindicato das Indústrias da Alimentação e Rações Balanceadas no Estado do Ceará (Sindialimentos-CE), André Siqueira, o impacto no setor não foi uniforme. "Temos algumas empresas que passaram a vender mais, principalmente as que vendem ovos. Assim como o setor de castanha também obteve bons resultados, ao firmarem contratos de exportação. Ao mesmo tempo, o ovo de codorna caiu, já que ele é oferecido principalmente em self-service e barracas de praia", exemplifica.

Em tempos de crise, reduzir os custos otimizando os processos de produção e construir consciência ambiental também se tornaram assuntos de valor dentro das empresas. Exemplo disto é a previsão no crescimento do faturamento da Biotrends, especialista em probióticos para peixes e camarões. "No Ceará, com a intensidade da produção de camarão e peixe, esses produtos são peças-chave para fazer com que ela se desenvolva de forma saudável, para melhorar a qualidade da água e do solo", explica o sócio da empresa, Alysson Lira.

Outro ponto positivo na utilização da tecnologia é a conversão de alimentos, relação entre a quantidade de ração necessária para produzir um quilograma dos pescados e o preço do produto final.

Em 2019, a Biotrends faturou R$1,2 milhão, número que, de acordo com Lira, deve ser 50% maior em 2020, com o lançamento de mais dois produtos e a inserção da empresa no mercado pet. "Hoje, trabalhamos com 10 funcionários diretos, 10 representantes comerciais e cinco pontos de vendas. Estamos inaugurando nossa nova sede até o fim do ano e pretendemos triplicar este número em 2021".

Clonagem

A forte atuação da biotecnologia também pode ser percebida na Bioclone, biofábrica cearense de clonagem de plantas. "O grande diferencial na questão ecológica é que ela é cultivada in vitro, que não utiliza defensivos agrícolas, conhecidos como agrotóxicos. Depois elas vão para as estufas, em cultivo protegido, os riscos são mínimos", afirma o CEO da empresa, Roberto Caracas.

Apesar da expectativa de estagnação no faturamento deste ano, Caracas afirma que há novos contratos de exportação sendo firmados. "Nós atendemos todo o Brasil, com ênfase no norte de Minas Gerais. Já fizemos algumas exportações pontuais para Cabo Verde, mas temos demandas para Angola e Moçambique".

A Bioclone é a primeira biofábrica do Ceará, o que, segundo o CEO da empresa, facilita o acesso de pequenos e médios produtores à tecnologia.

"Durante o processo de fabricação in vitro, nós utilizamos tecnologias que reduzem o preço do produto, como os biorreatores, que fazem com que a planta se desenvolva mais rápido. Então, conseguimos transpor esse ganho, fazendo com que o pequeno produtor tenha acesso a uma tecnologia que antes era só dos grandes produtores", diz.

Controle

A NWAY PRO, empresa de sistemas de controle de ambientes, como catracas, desenvolveu um produto para reduzir o contato e evitar contaminação pelo coronavírus, passado a utilizar reconhecimento facial, por exemplo, e sensores de proximidade. O CEO da empresa, Tiago Oliveira, ressalta que 40% dos clientes já fizeram a atualização e a expectativa é que a proporção chegue a 80% até o fim do ano.

"São tecnologias usadas fora do Brasil há muito tempo, mas que aqui iniciou a procura somente agora com a pandemia. O novo serviço ainda permite uma gestão inteligente do número de pessoas que estão dentro do ambiente, de forma a se evitar aglomerações. É muito eficiente em hospitais, podendo limitar a um acompanhante para cada paciente, por exemplo. Já estamos presente em quase todos os hospitais do Estado".

Relacionamento

No mercado há dez anos com assessoria jurídica e cobrança, a Dinâmica Consultoria viu o faturamento cair 60% na pandemia diante da queda na renda familiar e a não priorização do pagamento de dívidas. A sócia-diretora da empresa, Isa Paiva, revela que 60% dos 25 funcionários tiveram de ser demitidos.

Em meio à dificuldade, ela e o sócio, Milton Paiva, resolveram colocar em prática um plano que vinham pensando desde o ano passado: uma empresa de ferramentas de comunicação em massa. A partir de sistemas que já eram usados nos processos internos, nasceu a Dinâmica Soluções.

"Usamos mensagens de voz, SMS, email, ligações automáticas, tudo personalizado, que podem contribuir no processo de vendas a distância, atualizando o consumidor sobre possíveis promoções, ou mesmo estreitar o relacionamento, com felicitações de aniversário", explica Milton. A empresa já conta com 20 clientes regulares.

Virtual

A academia Personal fez a transição definitiva para o meio virtual na pandemia. Focada em alunos idosos ou com alguma restrição física, o sócio-diretor do empreendimento Helder Montenegro percebeu que não teria como voltar à atividade até que estivesse disponível uma vacina ou um remédio eficiente. Sem conseguir manter os custos por tanto tempo sem faturar, ele resolveu fechar a academia e investir em uma franquia, a Person@ll.

Lançado em junho, o negócio consiste em uma plataforma online que conecta personais trainers e alunos. Em apenas um dia, foram vendidas 252 franquias, recorde nacional. Montenegro detalha que, além da própria plataforma, os profissionais de educação física ainda recebem treinamento científico, liderado pelo também fundador do negócio Paulo Gentil, e de marketing e gestão. "Nossos franqueados ainda estão em treinamento, mas alguns já estão atendendo", comemora Montenegro.

Transformação Digital

Para auxiliar as empresas nesse processo de modernização, a Fiec inicia hoje (4) Fórum de Transformação Digital com o tema "Indústria 4.0 e automação industrial no cenário pós-Covid-19".

Rafael Campos, assessor especial da diretoria de Inovação e Tecnologia da Fiec, detalha que o objetivo é ajudar os empresários a escolherem a melhor solução para seus negócios, sem necessariamente gastar muito, nem precisar de uma mudança complexa. "Em períodos de caixa limitado, a melhor saída é ser assertivo, eficiente. Ainda precisamos desmitificar a inovação".

Gilmar Mendes suspende efeitos de veto sobre uso máscara em presídios

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes suspendeu vetos apresentados pelo presidente Jair Bolsonaro ao projeto de lei que exige o uso de máscara de proteção individual para circulação em espaços públicos e privados.

Por meio de uma liminar concedida parcialmente a arguições de descumprimento de preceito fundamental (ADPFs) ajuizadas pelo PDT, Rede Sustentabilidade e PT, Mendes restabeleceu a obrigatoriedade do uso do equipamento a todos os trabalhadores dos estabelecimentos prisionais e de cumprimento de medidas socioeducativas, incluídos os prestadores de serviço.

De acordo com o STF, a decisão suspende “apenas os efeitos dos vetos feitos por meio de republicação, após o prazo de 15 dias para o exercício da deliberação executiva sobre o projeto de lei”.

Apesar de a liminar não alcançar os vetos originais do presidente, o assunto pode, segundo a relatoria, ser reapreciado, “na eventualidade de modificações no substrato fático ou a depender da percepção do direito por parte dos agentes públicos envolvidos em sua aplicação”.

Convertido na Lei 14.019/2020, o PL 1.562/2020 alterou a Lei 13.979/2020, de forma a tornar obrigatório o uso de máscaras de proteção individual para circulação em espaços públicos e privados acessíveis ao público, vias e transportes públicos durante a vigência das medidas para enfrentamento da pandemia da covid-19.

Alguns dispositivos foram vetados pelo presidente. Entre eles, o inciso III do novo Artigo 3º-A, que exigia o uso de máscara em estabelecimentos comerciais e industriais, templos religiosos, estabelecimentos de ensino e demais locais fechados em que haja reunião de pessoas. O veto baseou-se no direito à inviolabilidade domiciliar.

A publicação da lei e da mensagem que informava os vetos foi feita no dia 3 de julho. Três dias depois – no dia 6 de julho – novos vetos foram apresentados, derrubando a exigência de uso de máscaras aos trabalhadores dos estabelecimentos prisionais e de cumprimento de medidas socioeducativas.

Na decisão apresentada por Mendes, foi observado que o prazo de 15 dias úteis para que o presidente da República exercesse o direito de veto se encerrou em 2 de julho, data anterior à da publicação dos dois novos vetos no Diário Oficial da União. Segundo nota do STF, para o ministro houve no caso um “exercício renovado” do poder de veto, em desconformidade com o Artigo 66 da Constituição Federal.

“O relator explicou que, uma vez manifestada a aquiescência do Poder Executivo com o projeto de lei que lhe é enviado, pela aposição da sanção, ocorre uma preclusão, que confere ao veto um caráter terminativo. Ele citou jurisprudência do STF no sentido de que o veto, após manifestado, é insuscetível de retratação”, diz a nota disponibilizada no site do STF.

Ainda segundo a nota, “a inusitada situação dos autos – o exercício do poder de veto em uma lei já promulgada e publicada – gera forte insegurança jurídica; dificulta até mesmo a identificação de qual é o direito vigente”.

*Com informações do STF

Ministério da Saúde financiará pesquisas em terapias avançadas

O Ministério da Saúde lançou ontem (3) chamada pública para seleção de pesquisas em terapias avançadas. A pasta vai disponibilizar R$ 47,2 milhões para financiar estudos no desenvolvimento de tecnologia nacional em terapia celular, terapia gênica e tecido artificial, áreas de interesse do Sistema Único de Saúde .

A chamada ocorre em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), fundação pública vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações. Podem participar pesquisadores vinculados a instituições científicas, tecnológicas e de inovação (ICTs) com foro no Brasil.

As propostas devem ser apresentadas até o dia 17 de setembro, por meio da Plataforma Carlos Chagas, do CNPq, e o resultado final será divulgado até o dia 30 de novembro no site da fundação.

De acordo com o Ministério da Saúde, na prática, as terapias avançadas têm o objetivo de tratar, prevenir ou até mesmo diagnosticar uma doença e representam uma promessa terapêutica para enfermidades complexas e sem alternativas médicas disponíveis. São usados produtos biológicos obtidos a partir de células e tecidos humanos que foram submetidos a um processo de fabricação, além dos produtos de terapia gênica.

A pasta informou ainda que está prevista, para este ano, a contratação de duas pesquisas que envolvem o tratamento com células-tronco para o tratamento de covid-19 e a compreensão sobre a evolução e dispersão do novo coronavírus no Brasil. Ao todo, o Ministério da Saúde deve investir R$ 71,4 milhões para fomentar as pesquisas, no âmbito do Programa Genomas Brasil.

Prefeito Bismarck Barros anuncia propostas das empresas para execução da estrada que liga Piquet Carneiro a Ibicuã

A Comissão Central de Concorrência (CCC) da Procuradoria Geral do Estado (PGE) efetuará, no dia 4 de agosto (terça-feira), às 9h50min, o recebimento das propostas das empresas participantes da licitação referente à pavimentação da rodovia CE-475, no trecho que vai de Piquet Carneiro ao distrito de Ibicuã. A iniciativa será executada através da Superintendência de Obras Públicas (SOP).

Serão aproximadamente 16 km pavimentados. A execução dos projetos de engenharia rodoviária inclui serviços preliminares, movimento de terra, drenagem, pavimentação, pontes e bueiros, sinalização (horizontal e vertical), além de proteção ambiental.

O edital prevê 360 dias corridos de prazo para execução dos trabalhos, contados a partir da data de recebimento da ordem de serviço, após publicação do contrato no Diário Oficial do Estado. A obra, com recursos do Tesouro do Estado, faz parte do Ceará de Ponta a Ponta, Programa de Logística e Estradas.

A pavimentação do trecho dá continuidade aos serviços de melhoria da malha viária que vêm sendo realizados pelo Governo do Ceará, com o objetivo de proporcionar mais segurança a quem trafega pelas rodovias cearenses.

Acompanhe o cenário epidemiológico de Dep. Irapuan Pinheiro com o Secretário de Saúde Natanael Alves


Prefeito Ecildo Filho acompanha obras de pavimentação e anuncia pacote de ações em Mombaça

O prefeito de Mombaça, Ecildo Filho esteve na manhã desta segunda-feira (03) ao lado do Secretário de Obras Luís Humberto, acompanhando as obras da pavimentação em paralelepípedo de 7 ruas no bairro São Domingos.

"Aproveito a oportunidade para anunciar várias ações que acontecerão ainda no nosso mandato, dentre elas a implantação da equipe de Saúde Bucal na UBS e a substituição e ampliação da iluminação pública do bairro. Nossa gestão foi a que mais fez por essa querida localidade", disse o prefeito. 

Oito hospitais do CE têm pesquisas sobre efeitos do novo coronavírus

Do vírus que tem mudado a vida de bilhões de pessoas, pouco se conhece. O mal que há meses faz vítimas e gera internações segue envolto de perguntas. Muitas delas ainda sem respostas. A prioridade é garantir atendimento aos infectados. Mas, para dar vazão a essa assistência e avançar no conhecimento, a pesquisa científica é o caminho. No Ceará, em paralelo à tentativa de socorrer os pacientes, profissionais da saúde e estudantes de pós-graduação realizam estudos de diferentes formatos e objetivos nos hospitais que tratam a Covid-19.

Atualmente, conforme levantamento realizado pelo Sistema Verdes Mares, há mais de 52 pesquisas em curso ou cadastradas em oito unidades hospitalares públicas do Estado. Os resultados têm sido determinantes para ampliar o que se sabe sobre a doença e, nos próximos períodos, aprimorar o tratamento e a percepção sobre os efeitos causados pelo novo vírus.

A elevada ocorrência de casos e óbitos provocados pela infecção viral no Ceará tem gerado, além da demanda direta de muito trabalho no interior dos hospitais, inquietações em pesquisadores que buscam, na batalha contra o tempo, respostas para equacionar tantas demandas. Na prática, a pandemia requisita mais ênfase naquilo que, de certa forma, já ocorre em parte dos hospitais: investimento na pesquisa científica. É por meio dela, relatam estudiosos, que se geram informações criteriosas e tecnologias capazes de mudar a atual situação.

Na rede pública estadual, há distintas pesquisas acontecendo no Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart Gomes, no Hospital São José, Hospital Infantil Albert Sabin, Hospital Geral de Fortaleza, Hospital Leonardo da Vinci e Hospital de Saúde Mental de Messejana Professor Frota Pinto. Além dessas unidades, o Instituto Dr. José Frota, da rede municipal, e o Hospital Universitário Walter Cantídio, unidade vinculada ao Governo Federal, também têm estudos em curso sobre a Covid-19.

Linhas

No IJF, que recebeu cerca de 470 a 500 pacientes com coronavírus e em estado grave, a chefe do Núcleo de Intoxicação do Hospital, responsável pelas pesquisas sobre a doença, Polianna Lemos, explica que há várias linhas de estudos. Uma delas investiga o que leva o paciente a precisar de uma hemodiálise ou a ter alguma insuficiência renal dentro de 48h com a doença. Uma segunda linha analisa a coagulação sanguínea. Um outro estudo, revela ela, avalia as alterações neurológicas do paciente, pois os profissionais perceberam que há essa característica nos casos de Covid.

No Hospital, há também uma pesquisa sobre imunologia ao vírus. Esta feita em parceria com o Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas da UFC. "Para desenvolver tudo isso, nós temos uma equipe de multiprofissionais. São cerca de 40 pessoas, entre universitários, doutorandos, pós-doutorandos, acadêmicos, mestrandos, etc.", afirma Polianna.

Nenhum desses estudos foi publicado ainda. A estimativa é que alguns deles sejam publicados somente em 2021. Prazo necessário aos critérios do fazer científico. "Nós vamos refinando os estudos com análises do país todo para que tenhamos um tratamento de excelência para os pacientes, afinal queremos promover a saúde", reforça.

De acordo com a coordenadora da Unidade de Pesquisa Clínica do Hospital de Messejana, Sandra Falcão, lá já foram cadastrados 21 estudos, que estão em diversos níveis de desenvolvimento, inclusive no processo de regulamentação. "Há projetos de aspectos técnicos, epidemiológicos, como foi a evolução dos pacientes no nosso serviço, como foi a resposta deles aos tratamentos específicos, de terapia intensiva como um todo (não especificamente em um medicamento) e como estão os impactos psicológicos em pacientes e familiares", enumera.

Desafio

Para Sandra Falcão, fazer pesquisa científica nesse cenário "é desafiador pelo risco do próprio investigador se contaminar durante o estudo, por todos os cuidados diferentes que têm que haver a mais por ser uma doença nova", avalia. Além disso, os próprios termos de consentimento que os pacientes com Covid assinam precisam ser arquivados em separado pelo risco de contaminação.

Há cinco anos na função, a coordenadora avalia que houve uma mudança no foco dos estudos desenvolvidos no Hospital, uma vez que lá se desenvolvia, principalmente, projetos vinculados ao sistema cardiovascular e respiratório. Por ser mais difícil realizar pesquisas diferenciadas no momento e apesar do desafio, segundo ela, os trabalhos sobre a Covid-19 são muito importantes, pois a sociedade "precisa de mais informações, de mais conhecimento científico, não só dos aspectos médicos, mas também dos aspectos que estão envolvidos nessa pandemia dos impactos que se tem gerado".

Já para Melissa Medeiros, coordenadora do núcleo de pesquisa do Hospital São José, a pesquisa sobre a doença viral é como uma pérola em meio ao mar da pandemia. "É um cenário muito bom com oportunidade de crescimento ímpar, de uma potencialidade grande", pontua, ao afirmar que há potencial de investimento, de compra de aparelhos, melhoria em algumas áreas e projeção nacional e internacional da Instituição.

A unidade hospitalar referência para a Covid-19 tem entre 10 e 15 projetos sobre a infecção submetidos ao comitê de ética e em diversos níveis de desenvolvimento, segundo Melissa. Conforme a gestora, "há pesquisas de caráter epidemiológico, para avaliar intervenções com uso de corticoide, cloroquina, também tem acompanhamento de pacientes ambulatoriais".

Com boa vantagem, Ceará busca hoje bicampeonato do Nordestão

No planejamento para uma temporada, disputar títulos e levantar taças é sempre o objetivo de um clube grande, com enorme torcida. E o Vovô trilhou parte do caminho ao chegar nas finais do Campeonato Cearense e da Copa do Nordeste, como planejado por sua diretoria. Hoje, o Ceará, contra o Bahia, às 21h30, no Estádio Pituaçu, em Salvador, pelo 2º jogo da finalíssima da Copa do Nordeste, pode dar mais um passo em seus objetivos e conquistar o 1º título de 2020, podendo ser o primeiro time cearense a gritar "é campeão" no ano.

A expectativa pelo título alvinegro, que seria um bicampeonato do Nordeste, o primeiro neste novo formato - desde 2013 - aumentou consideravelmente após a ótima vitória por 3 a 1, no último sábado, no jogo de ida, também em Pituaçu.

O placar do jogo de ida permite ao Vovô perder até por um gol de diferença, que será campeão. Uma derrota por dois gols levaria a decisão para os pênaltis e a perda do título, algo que nenhum alvinegro quer sequer imaginar, aconteceria com uma derrota por três gols de diferença.

Tanto pela vantagem construída, superioridade mostrada em campo e atuação segura, o otimismo para a conquista é mais do que natural, principalmente por parte da torcida alvinegra, eufórica após o final de jogo de sábado. Mas o técnico Guto Ferreira e os jogadores sabem bem que, no futebol, as coisas funcionam em outra rotação. A concentração precisa ser total e uma final de campeonato não permite otimismo ou relaxamento.

É isso que o Ceará quer evitar, ficando bem claro nas declarações pós-jogo: muito respeito pela qualidade do Bahia e que, para levantar a taça, será preciso jogar melhor ainda.

Experiente, o técnico Guto Ferreira tratou logo de manter a concentração dos seus jogadores em alta.

"Se nós jogamos bem no sábado, temos que jogar muito melhor, porque a tendência é de um Bahia mais forte. E, para a gente superar esse Bahia mais forte, temos que ter um Ceará mais forte. Temos muito respeito ao nosso adversário", advertiu o treinador.
Guto, aliás, pode ser bicampeão do Nordeste, assim como o Ceará. Se o Vovô conquistou o torneio de 2015 de forma invicta e busca repetir a dose hoje, Guto também já levantou a taça, em 2017, pelo Bahia.

Um dos principais destaques do Ceará, o meia Fernando Sobral, bastante elogiado pelo técnico Guto Ferreira, também destacou que o espírito do time precisa ser o mesmo para sair de Pituaçu campeão.

"Fizemos uma vantagem em cima do Bahia, mas sabemos que não tem nada ganho ainda. A gente tem que manter essa evolução, o nosso espírito de garra. Vamos com humildade para conquistar o nosso objetivo".

Mudança

O jogador do Vovô citou garra e manter uma evolução na partida de hoje. E o maior desafio para isso é superar o desfalque do volante Charles, um dos jogadores mais regulares e importantes do time.

Com ele suspenso pelo 3º cartão amarelo, Guto tem três opções se quiser manter o esquema tático: Ricardinho, Marthã ou William Oliveira. Se escolher um dos dois primeiros, a equipe deve propor mais o jogo, mas se William for o escolhido, o mesmo campo estará ainda mais precavido e marcador.

"A gente tem um grupo que se dedica, que se supera, grupo que tem qualidade, e a gente tem que superar da melhor maneira possível a ausência e procurar fortalecer mais e mais para fazer outro grande jogo, porque a gente sabe da qualidade do adversário", disse Guto.

Retrospectos

Embora todos no Bahia admitam que a derrota foi dura e que a atuação da equipe foi muito abaixo da esperada, o discurso é de esperança por uma virada. Na tarde de ontem, o clube exibiu para o elenco um vídeo de conquistas do Tricolor, em comum com a marca da superação e viradas nos placares

Só que sob o comando do técnico Roger Machado, apenas em quatro jogos dos 65 comandados por ele, o time conseguiu vencer por três gols de diferença, placar que daria o título regional, ao vencer Londrina, Flamengo, Nacional/PAR e Náutico. Vitórias por dois gols de diferença, que leva a decisão para os pênaltis, foram 10.

Outro ponto que pesa contra os baianos é que o Ceará não perdeu nenhuma vez por dois gols de diferença no ano. A única derrota foi por 2 a 1, no Clássico-Rei pelo Estadual.

segunda-feira, 3 de agosto de 2020

Perda de olfato e paladar na Covid-19 pode ser irreversível, indicam análises preliminares da USP

A perda de olfato e paladar decorrente da Covid-19 pode ser permanente se não tratada a tempo, de acordo com pesquisa da Universidade de São Paulo (USP). Em um grupo de 600 pessoas, 10% dos voluntários ainda persistiam com a perda total dos dois sentidos mesmo após um mês da doença. A pesquisa ainda está em andamento e é promovida pela Disciplina de Otorrinolaringologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

Fabrizio Ricci, presidente da Academia Brasileira de Rinologia, ressaltou a importância de buscar tratamento precoce para o problema, evitando sequelas graves. Entre as opções, os pacientes podem fazer um treinamento olfatório, prescrito e acompanhado por um otorrinolaringologista, assim como o uso de medicações com efeito anti-inflamatório e manobras para diminuir a percepção de odores distorcidos ou a sensação de odores desagradáveis continuamente.

O médico destacou que, antes de definir um método terapêutico, é essencial uma avaliação completa do nariz e do olfato para que o tratamento seja o mais correto e efetivo para cada paciente. "O impacto na qualidade de vida do paciente com anosmia, que é a perda total da capacidade de sentir cheiro, é significativo. Sem essa aptidão, a pessoa corre mais risco de acidentes domésticos, como não identificar o vazamento de gás de cozinha. Quanto mais cedo for iniciado o tratamento, maior a chance de sucesso”, explica Ricci em nota.

Governo economiza R$ 466 milhões com a máquina pública na pandemia

Com milhares de servidores públicos trabalhando de forma remota em casa por causa da pandemia, o governo federal conseguiu reduzir em R$ 466,4 milhões as despesas de custeio da máquina pública. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (3) pelo Ministério da Economia.

Entre as principais despesas que foram economizadas estão deslocamentos e viagens a trabalho, que demandam pagamento de diárias e passagens, e os serviços de energia elétrica e comunicação. A comparação foi feita entre os meses de abril, maio e junho deste ano com o mesmo período de 2019. Somente com diárias e passagens, o governo economizou mais de R$ 271,4 milhões, um valor 67,5% menor em relação ao ano passado. Os gastos com energia elétrica caíram, na média dos três meses, 22,4%, uma economia de R$ 127,9 milhões. Os serviços de comunicação (correios), de água e esgoto e cópia e reprodução de documentos também tiveram quedas expressivas no mesmo período.

Trabalho remoto

Na semana passada, o Ministério da Economia publicou a Instrução Normativa nº 65, que estabelece orientações para a adoção do regime de teletrabalho nos órgãos e entidades da administração pública federal. Até antes da pandemia, o teletrabalho ou trabalho remoto, no Executivo Federal, era permitido apenas na forma de projeto-piloto. De acordo com a Secretaria Nacional de Desempenho pessoal da pasta, 360 mil servidores estão em trabalho remoto: 270 mil são de universidades e institutos federais e 62% da força de trabalho do Executivo.

Homens com camisas da Polícia Civil matam jovem em restaurante no Ceará

Um jovem de 25 anos foi morto, a tiros, na noite deste domingo (2), dentro de um restaurante, localizado na Avenida 13 de Maio, no Bairro de Fátima, em Fortaleza. O crime foi filmado pelas câmeras de monitoramento do restaurante e mostram que três suspeitos estão armados e vestidos com camisas e capuzes pretos com a inscrição da Polícia Civil.

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública (SSPDS), os suspeitos armados entraram no restaurante e efetuaram disparos de arma de fogo contra a vítima identificada como Gutemberg de Souza Ferreira. O órgão não informou se vai investigar a utilização da farda da Polícia Civil por parte dos criminosos.

Ainda segundo a pasta, a vítima, que respondia por tráfico de drogas, associação para o tráfico e porte ilegal de arma de fogo, chegou a ser socorrida, mas morreu. Um inquérito policial foi instaurado pelo departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e as investigações estão em andamento. Imagens de câmeras de segurança auxiliam os trabalhos policiais.

Interior já responde por quase 53% dos casos de Covid-19

Em julho passado, a curva de casos confirmados de Covid-19 inverteu entre a Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) e o Interior. Os dados do IntegraSUS, atualizados nesta segunda-feira (3), às 14 horas, mostram que as cidades interioranas respondem agora por 52,7% dos casos confirmados da doença (93.329) e a RMF por 47,3% (83.632).

Em comparação com a mesma data, há um mês, a RMF registrou 50,8% (77.082) dos casos de Covid-19 e o Interior, 49,2% (74.817). Há três meses, a diferença entre os registros positivos da doença entre a Grande Fortaleza e o Interior era bem mais expressiva. Em 3 de maio passado, a RMF computou 83,1% (28.073) dos casos enquanto que o Interior apresentou 16,9% (5.689).

O levantamento confirma o que os infectologistas já vêm afirmando há alguns meses que a pandemia chegou ao Ceará por meio da Capital, tendo como porta de entrada o aeroporto internacional de Fortaleza, alcançando os bairros de classe média e depois se espalhando para a periferia e cidades da RMF.

Após ultrapassar a Grande Fortaleza, o número crescente ocorreu na região Norte, tendo Sobral como centro difusor e reunindo o maior índice de diagnósticos positivos e de óbitos. Ainda hoje, segundo o portal IntegraSUS, Sobral tem 9.975 casos confirmados e 286 óbitos. A cidade é a segunda, após a Capital, com maior registro de Covid-19.

A interiorização do vírus se deu através do transporte rodoviário, conforme observa o presidente da Associação dos Municípios do Ceará (Aprece), médico e prefeito de Cedro, Nilson Diniz. “A região Norte e as praias do chamado litoral Oeste por receberem maior fluxo de pessoas partiu na frente em número de casos e de mortes, mas nas últimas semanas, os registros são maiores na macrorregião do Cariri”.

Óbitos

Apesar do crescimento dos casos da doença no Sertão, o número de mortes por Covid-19 ainda é maior na RMF do que no Interior. De acordo com o portal IntegraSUS, nesta segunda-feira (3), a RMF registra 5.438 óbitos (70,2%) e o Interior 2.314 (29,8%). Mas essa diferença já foi maior no início da pandemia. Em 3 de maio passado, a Grande Fortaleza registrou 91% das mortes em decorrência da doença, e o Interior, 9%.

Nas últimas 24 horas, a macrorregião do Cariri registrou seis óbitos, enquanto que a região de Sobral e a metropolitana da Capital não tiveram nenhuma morte em decorrência de infecção do novo coronavírus.

O médico sanitarista e pesquisador da Fiocruz, Odorico Monteiro, observa que era necessário haver mais testagem na população para se conhecer a real dimensão da doença e assim ser feito um melhor planejamento das ações preventivas. “O número real é bem maior do que os dados oficiais”, pontuou. “Se há pouco testagem, os casos confirmados também serão reduzidos”.

A unidade da Fiocruz em Fortaleza está implantando uma central de exames que vai possibilitar a ampliação dos testes e a oferta de resultados mais rápidos. “O laboratório terá capacidade de realizar até 10 mil exames por dia”, frisou o coordenador, médico sanitarista, Carlile Lavor. “O vírus nos pegou de calça curta, sem tempo de nos estruturar”.

Honório Barbosa via Diário do Nordeste 

Auxílio emergencial: Ceará já recebeu mais de R$ 8,2 bilhões pelo benefício

A Caixa Econômica Federal já destinou R$ 8,2 bilhões ao Ceará com pagamentos do auxílio emergencial de R$ 600 durante a pandemia do novo coronavírus. A informação foi divulgada durante uma coletiva do Banco na tarde desta segunda-feira (3).

Segundo Pedro Guimarães, presidente da instituição financeira, ao todo, já foram pagos mais de R$ 145,9 bilhões para cerca de 65,4. Desse montante, R$ 8,2 bilhões foram destinados ao Ceará, representando 5,6% do valor total.

O Ceará foi apontado como o terceiro estado do Nordeste com maior volume de recursos, sendo superado apenas por Pernambuco (R$ 8,6 bilhões) e Bahia (R$ 13,6 bilhões).

O presidente da Caixa ainda ressaltou que mais 1,15 milhão de pessoas tiveram os pagamentos aprovados pela Caixa e terão os benefícios concedidos a partir desta quarta-feira (5). Do total, 805 mil pessoas serão contempladas ainda com a primeira parcela do benefício.

O Nordeste, somando os 9 estados, recebeu R$ 51,6 bilhões, sendo superado apenas pelo Sudeste (R$ 52,9 bilhões. Norte (R$ 16 bilhões), Sul (R$ 14,9 bilhões) e Centro Oeste (R$ 10,5 bilhões) completam a lista.

Energia elétrica de inadimplentes pode ser cortada a partir de hoje

A energia elétrica dos consumidores inadimplentes pode voltar a ser cortada a partir desta segunda-feira (3), desde que os consumidores sejam avisados. As interrupções estavam suspensas por determinação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) desde o dia 24 de março. Como o prazo final para a isenção ocorreu no sábado (1), os cortes só estão autorizados a acontecer a partir de hoje (3) porque o desligamento de serviços públicos não pode acontecer nas sextas-feiras, sábados, domingos e feriados.

Baixa renda

Segundo a Aneel, enquanto durar o estado de emergência da pandemia, continua proibido o corte para alguns grupos de consumidores. Conforme o Decreto Legislativo nº 6/2020, esse prazo atualmente vai até o final de 2020. Neste grupo estão consumidores de baixa renda; unidades onde more pessoa que dependa de equipamentos elétricos essenciais à preservação da vida; unidades que deixaram de receber a fatura impressa sem autorização do consumidor, além daquelas cobradas em locais sem postos de arrecadação em funcionamento como bancos e lotéricas, por exemplo, ou nos quais a circulação de pessoas seja restringida por ato do poder público.

Resultado do Fies sairá nesta terça-feira

O Ministério da Educação (MEC) divulgará nesta terça-feira (4) o resultado dos candidatos pré-selecionados para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Nesta edição, 107 mil 875 inscritos disputam 30 mil vagas ofertadas em mais de 1,3 mil instituições de ensino superior. Os interessados devem ficar atentos aos prazos porque a complementação da inscrição nessa chamada única começa amanhã e segue até as 23h59 de quinta-feira (6).

Lista de espera

Quem não for pré-selecionado nessa fase pode disputar uma das vagas ofertadas por meio da lista de espera. Diferentemente dos processos seletivos do Sisu (Sistema de Seleção Unificada) e do Prouni (Programa Universidade Para Todos), para participar da lista de espera do Fies não é necessário manifestar interesse porque a inclusão é feita automaticamente. A convocação da lista de espera vai do dia 4 até as 23h59 de 31 de agosto.

Programa

O Fies é um programa do MEC que concede financiamento a estudantes em cursos superiores não gratuitos, em instituições particulares de educação superior. O fundo é um modelo de financiamento estudantil moderno, dividido em diferentes modalidades, podendo conceder juro zero a quem mais precisa. A escala varia conforme a renda familiar do candidato.

Agricultores do sertão do Ceará retomam produção de algodão após quase 40 anos

Agricultores do sertão do Ceará estão retomando a produção de algodão no estado com ajuda de pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e governo estadual.

O Ceará já foi o maior produtor de algodão do Nordeste e um dos principais do país, mas, na década de 1980, a praga do bicudo-do-algodoeiro praticamente extinguiu a produção. Naquela época, o estado perdeu 1,2 milhão de hectares da cultura.

Por causa do trauma, a volta da cultura ainda é tímida. Para viabilizar o retorno da atividade, o governo do Ceará criou um projeto de modernização do algodão e a Embrapa faz testes para escolher as sementes mais apropriadas para a região.

A principal estratégia adotada foi o vazio sanitário. O governo cearense determinou que entre 1º de outubro e 31 de dezembro é proibido plantar algodão no estado.

Atualmente, Mato Grosso e Bahia são os principais estados produtores de algodão do país.

Bares, cinemas, shows e eventos podem ter volta em setembro no Ceará

Bares, cinemas, eventos e shows têm possibilidade de voltar a funcionar no Ceará a partir do mês de setembro, disse o secretário executivo de Planejamento e Orçamento da Secretaria de Planejamento e Gestão e coordenador do Plano de Retomada das Atividades Econômicas do Ceará, Flávio Ataliba. A informação foi anunciada durante uma entrevista nesta segunda-feira (3).

"Esse final ele precisa ser feito com muita cautela, para a gente não ter ou não correr o risco de ter que retroceder, como muitos Estados, inclusive está acontecendo. Para o caso do Estado do Ceará também seria muito ruim. Então essas atividades, eventos e bares, a tendência é de continuarmos no mês de agosto monitorando todos esses índices sanitários para ter uma consolidação. Para a partir de setembro termos uma data mais segura em que possa ser estudado o retorno dessas atividades”.

O Ceará chegou no domingo (2) a 7.710 mortes em decorrência da Covid-19, com 176.773 casos confirmados, segundo dados da plataforma IntegraSUS, atualizada às 17h40 deste domingo (2). Já são 147.622 pessoas recuperadas da doença no Estado. A plataforma indica que há ainda 593 mortes em investigação e 77.714 casos suspeitos. Já foram realizados 471.329 exames para detectar o novo coronavírus.

O Estado passa por um plano de retomada da economia, que prevê um ciclo de transição e mais quatro fases em todos os municípios. Conforme Flávio Ataliba, todas as decisões devem ser feitas com muita cautela para evitar que haja novamente um aumento da propagação do novo coronavírus.

"Nós estamos com dois meses que o plano está sendo executado, felizmente com sucesso. Colocamos a economia para voltar a funcionar sem aumento nos índices de contaminação e mortes, então nós estamos indo muito bem até agora. Esse final ele precisa ser feito com muita cautela, para a gente não ter ou não correr o risco de ter que retroceder, como muitos Estados, inclusive está acontecendo. Para o caso do Estado do Ceará também seria muito ruim", pontua o secretário.

Caixa credita hoje saque emergencial do FGTS para nascidos em junho

Cerca de 5 milhões de trabalhadores nascidos em junho começam a receber hoje (3) o crédito do saque emergencial do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) de até R$ 1.045. Serão liberados R$ 3,2 bilhões nas contas poupança digitais abertas pela Caixa Econômica Federal em nome dos beneficiários.

Instituído pela Medida Provisória 946 , o saque emergencial do FGTS pretende ajudar os trabalhadores afetados pela pandemia do novo coronavírus. Ao todo, o governo pretende injetar R$ 37,8 bilhões na economia, beneficiando cerca de 60 milhões de trabalhadores.

O valor do saque é de até R$ 1.045, considerando a soma dos valores de todas contas ativas ou inativas com saldo no FGTS. Cada trabalhador tem direito a receber até um salário mínimo (R$ 1.045) de todas as contas ativas e inativas do fundo.

Nesta fase, o dinheiro poderá ser movimentado apenas por meio do aplicativo Caixa Tem. A ferramenta permite o pagamento de boletos (água, luz, telefone), compras com cartão de débito virtual em sites e compras com código QR (versão avançada de código de barras) em maquininhas de cartão de lojas parceiras com débito instantâneo do saldo da poupança digital.

Liberação para saque

O dinheiro só será liberado para saque ou transferência para outra conta bancária a partir de 3 de outubro, para os trabalhadores nascidos em junho. O calendário de crédito na conta poupança digital e de saques foi estabelecido com base no mês de nascimento do trabalhador.

Até agora, a Caixa creditou o saque emergencial do FGTS para os trabalhadores nascidos de janeiro a maio.

Orientações

A Caixa orienta os trabalhadores a verificar o valor do saque e a data do crédito nos canais de atendimento eletrônico do banco: aplicativo FGTS, site e telefone 111 (opção 2). Caso o trabalhador tenha direito ao saque emergencial, mas não teve a conta poupança digital aberta automaticamente, deverá acessar o aplicativo FGTS para complementar os dados e receber o dinheiro.

O banco alerta que não envia mensagens com pedido de senhas, dados ou informações pessoais. Também não envia links nem pede confirmação de dispositivo ou acesso à conta por e-mail, SMS ou WhatsApp.

Cancelamento do crédito automático

O trabalhador poderá indicar que não deseja receber o saque emergencial do FGTS até dez dias antes do início do seu calendário de crédito na conta poupança social digital, para que sua conta do FGTS não seja debitada.

Caso o crédito dos valores tenha sido feito na poupança social digital do trabalhador e essa conta não seja movimentada até 30 de novembro de 2020, os valores corrigidos serão retornados à conta do FGTS.

Promotores eleitorais do Ceará cobram estrutura para fiscalizar eleições

Em ano de eleição, a fiscalização de candidatos, gestores e eleitores vira tarefa prioritária do Ministério Público Eleitoral para evitar irregularidades no processo e manter condições iguais entre os que vão disputar. Ao mesmo tempo, esse é um desafio para muitos promotores eleitorais no Ceará que são responsáveis por coibir crimes e irregularidades em até quatro municípios diferentes, nem sempre geograficamente próximos, com poucos servidores e estrutura reduzida. Há risco de que ilicitudes ocorram sem punição.

No Ceará, existem 109 zonas eleitorais, ou seja, 109 promotores, um para cada unidade. Antes eram 123 zonas, com 123 promotores. Acontece que, de 2014 para cá, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) fez remanejamentos de zonas no País, extinguindo várias delas, com o objetivo de economizar recursos públicos.

A última resolução aprovada pela Corte Eleitoral em 2017 determinou que o município do interior de um estado que tivesse mais de uma zona eleitoral só poderia manter as duas unidades caso a quantidade de eleitores fosse maior que 70 mil. A medida provocou a extinção de 18 zonas eleitorais no interior do Ceará e o remanejamento de quatro delas para Fortaleza.

Deslocamento

Com isso, o número de zonas no Estado caiu de 123 para 109 e a Capital passou de 13 para 17 zonas. O problema, para promotores, não é o número de eleitores, mas a forma que estão espalhados no território de vários municípios dentro de uma mesma zona, dificultando o acesso.

Além de Fortaleza, apenas Caucaia, Maracanaú, Juazeiro e Sobral contam com dois ou mais promotores eleitorais. Só esses cinco municípios reúnem 26 profissionais do MP. Após o remanejamento de zonas, o número de promotores no interior ficou reduzido: 83 para as outras 179 cidades.

Na zona 59ª, que contempla Pentecoste, Apuiarés e General Sampaio, a distância chega a ser de 60 quilômetros entre uma cidade e outra, segundo o promotor Jairo Pequeno.

“O trabalho fica mais complexo, em razão da distância entre as comarcas, mas o nosso foco é a prevenção. A gente faz reuniões, tenta fazer um trabalho de conscientização tanto do eleitor quanto do candidato, para que não haja problemas no pleito”.

Reforço

O promotor Handerson Gomes, titular da zona 79ª, diz que leva quarenta minutos de Reriutaba, sede da zona, para chegar em Mucambo. Para ele, as dificuldades já aparecem agora, na pré-campanha, quando é preciso orientar os pré-candidatos sobre o que pode e o que não pode nesta fase. Mas, é a partir das convenções partidárias – entre os dias 31 de agosto e 16 de setembro – que o trabalho se intensifica.

“Eu vou ter, pelo menos, quatro convenções e tenho que fiscalizar a propaganda antecipada, porque o povo faz festa na cidade, leva banda, às vezes todas são marcadas no mesmo dia. Como eu vou estar em quatro locais ao mesmo tempo? Teremos (pedido de) registro de candidatura nos quatro municípios. Bote aí que deve ter 500 ou mais. Ou seja, não vamos conseguir dar conta, vai passar batido muita coisa”, admite e alerta.
A análise dos pedidos de registro de candidatura é uma das funções dos promotores eleitorais. Cabe ao MP apresentar ações de impugnação, ou seja, ações para barrar uma pessoa de se candidatar a um cargo eletivo, caso ela não siga algum critério de elegibilidade. Por exemplo, um candidato a prefeito que teve as contas rejeitadas pelo tribunal de contas durante a gestão pode ter a candidatura impugnada.

O promotor da zona de Reriutaba também cobra da Justiça Eleitoral fiscais de propaganda para auxiliar durante a campanha. “O certo era o TRE (Tribunal Regional Eleitoral do Ceará) nomear fiscais. Como eu vou estar presente em todos os eventos de quatro municípios para ver se aquele candidato estar abusando do poder político”, questiona.

Pessoal

Dias antes da eleição, Handerson Gomes lembra que o MP envia promotores auxiliares para reforçar a fiscalização do pleito nas zonas eleitorais. Após essa fase, o promotor aponta que a preocupação é com a falta de qualificação dos servidores da zona para analisar as contas dos candidatos.

“Prestação de contas é um faz de conta, porque a Justiça Eleitoral não nos fornece corpo técnico para sentar e analisar ponto a ponto. Em Reriutaba, tem um analista no cartório eleitoral que não é da Justiça Eleitoral, vem um emprestado, mas é só ele. O restante do povo que trabalha lá são (servidores) temporários do Município. Onde é que esse pessoal sabe o que é prestação de contas? Só está lá para carimbar e grampear”, critica o promotor.

Handerson Gomes diz que já montou um roteiro de atuação nas eleições deste ano. “A gente vai fiscalizar bem as candidaturas laranjas. Outro ponto são as condutas vedadas aos gestores. Em muitos municípios, pegam os servidores da prefeitura e colocam para trabalhar para a campanha, e vou bater em cima da compra de voto”.

O promotor eleitoral Alan Moitinho, da 63ª zona de Boa Viagem e Madalena, que tem mais de 50 mil eleitores, também reclama da falta de pessoal para fiscalizar. “Para você ter uma ideia, em Boa Viagem tenho um assessor e, em Madalena, um assessor e duas servidoras cedidas”, conta.

Diante da pouca estrutura, ele já montou uma estratégia para analisar os pedidos de registro de candidatura. “Estamos preparando pareceres padrões, porque a maioria dos registros tem lisura. Além disso, como já conheço a região, tenho conhecimento de algumas irregularidades por parte de alguns pré-candidatos. Já tenho documentação em mãos para quando chegar o registro de candidatura ter o material para impugná-los”, antecipou Moitinho.

O coordenador do Centro de Apoio Operacional Eleitoral (Caopel), promotor de justiça Emmanuel Girão, diz que é difícil a fiscalização durante a pandemia, mas aponta melhorias na estrutura do Ministério Público Estadual. “Essa estrutura melhorou desde que criou o fundo de reaparelhamento do MP e isso se reflete na função eleitoral”.

Sobre as demandas dos promotores, o TRE informou que os fiscais da propaganda são designados pelos juízes eleitorais para o recebimento, autuação, averiguação e cumprimento das decisões. Sobre a prestação de contas, servidores também recebem capacitação para emissão de parecer técnico e conclusivo, no prazo previsto em lei.

Fortaleza e cidades do interior avançam no plano de retomada; veja o que muda

A semana começa com mudanças no plano de retomada econômica em quase todas as regiões do Ceará. Fortaleza ingressa a terceira semana da fase 4, ainda sem permissão para o retorno de aulas presenciais, bares, cinemas, teatros, clubes, e demais espaços de realização de eventos com formação de público.

Já os municípios da macrorregião que envolve a Região Metropolitana da capital cearense e proximidades ingressarão na primeira semana da fase 4. A macrorregião do Norte cearense, incluindo Sobral, parte para a fase 2, com a reabertura dos restaurantes. E a macrorregião do Cariri dá início a fase 1, com reabertura do comércio.

Para as macrorregiões do Sertão Central e do Litoral Leste/Vale do Jaguaribe, que seguem na fase 2, não há nenhuma mudança em relação à última semana de julho.

O que muda:

Em Fortaleza

Ampliação do horário de funcionamento dos shopping centers, de 12 às 20h, para 12 às 22h;
Ampliação do horário de encerramento dos salões de beleza, de 16h para 20h;
Operação de ônibus e veículos de fretamento e turismos com a capacidade total, respeitando os protocolos do setor;
Realização dos jogos dos clubes cearenses nos Campeonatos Brasileiros Série A, C e D e Copa do Brasil, respeitando os protocolos do setor.
Na macrorregião de Fortaleza
Cadeia de alimentação fora do lar passa a funcionar de 6h às 23h, com exceção das barracas de praia, que funcionarão de 9h às 16h. Não é permitido atender com música ao vivo, nem transmissão de "lives" e outros eventos. Bares seguem fechados;
Funcionamento pleno da indústria e do comércio;
Passa a ser permitida a produção artística e cultural sem público, permanecendo fechados cinemas, academias, clubes e estabelecimentos similares;
Ficam liberadas as atividades de cine “drive in”, desde que realizadas em espaço amplo e observadas as medidas sanitárias.
Entram nessa fase as cidades de Acarape, Amontada, Apuiarés, Aquiraz, Aracoiaba, Aratuba, Barreira, Baturité, Beberibe, Capistrano, Cascavel, Caucaia, Chorozinho, Eusébio, General Sampaio, Guaiuba, Guaramiranga, Horizonte, Itaitinga, Itapajé, Itapipoca, Itapiúna, Maracanaú, Maranguape, Miraíma, Mulungu, Ocara, Pacajus, Pacatuba, Pacoti, Palmácia, Paracuru, Paraipaba, Pentecoste, Pindoretama, Redenção, São Gonçalo do Amarante, São Luis do Curu, Tejuçuoca, Trairi, Tururu, Umirim e Uruburetama.


Macrorregião Norte

Avança para a primeira semana da fase 2, que marca a reabertura dos restaurantes com 40% do efetivo, seguindo protocolo setorial. Estabelecimentos não podem atender com música ao vivo, nem transmissão de "lives" e outros eventos.
Também voltam com 40% da mão de obra: agências de publicidade, marketing, edição e design; organizações associativas, contabilidade, direito, e serviços de apoio administrativo; consultoria em Tecnologia da Informação e Comunicação, software house, assistência técnica; defesa de direitos sociais e serviços de assistência social sem alojamento.
Funcionamento pleno da indústria química e correlatos; artigos de couros e calçados; cadeia metal-mecânica; saneamento e reciclagem; cadeia energia elétrica; e cadeia da construção.
Estão liberadas práticas esportivas individuais, como as corridas, sem a formação de aglomerações. Os serviços de assessoria esportiva podem atuar, desde que localizados em ambiente privado, não comercial, e aberto ao ar livre.
Entram nessa fase as cidades de Acaraú, Alcântaras, Ararendá, Barroquinha, Bela Cruz, Camocim, Cariré, Carnaubal, Catunda, Chaval, Coreaú, Crateús, Croata, Cruz, Forquilha, Frecheirinha, Granja, Graça, Groaíras, Guaraciaba do Norte, Hidrolândia, Ibiapina, Independência, Ipaporanga, Ipu, Ipueiras, Irauçuba, Itarema, Jijoca de Jericoacoara, Marco, Martinópole, Massapê, Meruoca, Monsenhor Tabosa, Moraújo, Morrinhos, Mucambo, Nova Russas, Novo Oriente, Pacujá, Pires Ferreira, Poranga, Quiterianópolis, Reriutaba, Santa Quitéria, Santana do Acaraú, São Benedito, Senador Sá, Sobral, Tamboril, Tianguá, Ubajara, Uruoca, Varjota e Viçosa do Ceará.


Macrorregião do Cariri

Entra na fase 1, que marca a reabertura do comércio, e 18 setores produtivos passam a funcionar com 40% de capacidade:

Indústria de químicos inorgânicos, plástico, borracha, solventes, celulose e papel
Indústria e comércio da cadeia de couro e calçados
Fabricação de ferramentas, máquinas, tubos de aço, usinagem, tornearia e solda e comércio atacadista
Recuperação de materiais (cadeia de saneamento)
Construção para barragens e estações de energia elétrica, geradores (cadeia da energia elétrica)
Construção civil com até 100 operários obra, escritório e cadeia produtiva
Indústria e comércio da cadeia de têxteis e roupas
Comércio de livros e revistas
Comércio de artigos de escritório, armas e serviços de manutenção. Contabilidade, auditoria e direito (máximo de 3 trabalhadores por escritório).
Indústria e comércio de artigos de lar
Comercialização de flores e plantas, couros
Indústria e comércio da cadeia moveleira
Indústria e comércio da tecnologia da informação
Comércio de bicicletas
Indústria, comércio e serviços da indústria automotiva
Comércio de saneantes, livraria, brechós, papelarias, doces e caixões
Comércio de higiene e cosméticos
Fabricação e comércio de aparelhos esportivos, instrumentos e brinquedos
Entram nessa fase as cidades de Abaiara, Acopiara, Altaneira, Antonina do Norte, Araripe, Assaré, Aurora, Baixio, Barbalha, Barro, Brejo Santo, Campos Sales, Caririaçu, Cariús, Catarina, Cedro, Crato, Deputado Irapuan Pinheiro, Farias Brito, Granjeiro, Ico, Iguatu, Ipaumirim, Jardim, Jati, Juazeiro do Norte, Jucás, Lavras da Mangabeira, Mauriti, Milagres, Missão Velha, Mombaça, Nova Olinda, Orôs, Penaforte, Piquet Carneiro, Porteiras, Potengi, Quixelô, Saboeiro, Salitre, Santana do Cariri, Tarrafas, Umari e Várzea Alegre.

Macrorregiões Litoral Leste/Vale do Jaguaribe e Sertão Central

Seguem na fase 2, com operação de restaurantes com 40% do efetivo, seguindo protocolo setorial.
Também funcionam com 40% da mão de obra: agências de publicidade, marketing, edição e design; organizações associativas, contabilidade, direito, e serviços de apoio administrativo; consultoria em Tecnologia da Informação e Comunicação, software house, assistência técnica; defesa de direitos sociais e serviços de assistência social sem alojamento.
Funcionamento pleno da indústria química e correlatos; artigos de couros e calçados; cadeia metal-mecânica; saneamento e reciclagem; cadeia energia elétrica; e cadeia da construção.
Estão liberadas práticas esportivas individuais, como as corridas, em a formação de aglomerações. Os serviços de assessoria esportiva podem atuar, desde que localizados em ambiente privado, não comercial, e aberto ao ar livre.
Estabelecimentos para alimentação fora do lar não podem atender com música ao vivo, nem transmissão de "lives" e outros eventos.
No Litoral Leste/Jaguaribe, entram nessa fase as cidades de Alto Santo, Aracati, Ererê, Fortim, Icapuí, Iracema, Itaiçaba, Jaguaretama, Jaguaribara, Jaguaribe, Jaguaruana, Limoeiro do Norte, Morada Nova, Palhano, Pereiro, Potiretama, Quixeré, Russas, São João do Jaguaribe e Tabuleiro do Norte.

Já no Sertão Central, são as cidades de Aiuaba, Arneiroz, Banabuiú, Boa Viagem, Canindé, Caridade, Choró, Ibaretama, Ibicuitinga, Itatira, Madalena, Milhã, Parambu, Paramoti, Pedra Branca, Quixadá, Quixeramobim, Senador Pompeu, Solonópole e Tauá.

Nove a cada dez cidades cearenses custeiam mais de 80% da educação com recursos do Fundeb

De onde sai a maior parcela do financiamento à educação pública no Brasil? Os debates sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de valorização dos profissionais da educação (Fundeb) que ganharam ênfase nos últimos meses, respondem, em parte, essa questão. O Fundo é o principal recurso usado por governos e prefeituras para pagamento dos professores, diretores e demais funcionários, a manutenção de escolas e o custeio de investimentos. Criado em 2007, o Fundeb inicialmente valeria até dezembro deste ano. Sua continuidade foi aprovada na Câmara Federal e será votada no Senado. No Ceará, o nível de dependência deste dinheiro é alto. Dos 184 municípios, em 173 o Fundo representa 80% ou mais das verbas da educação, o equivalente a 94% das cidades, que têm juntas 979 mil estudantes. Melhorar a aplicação deste recurso é um dos desafios dos próximos anos.

Um levantamento feito pelo Laboratório de Dados Educacionais (LDE) com base em informações da Secretaria do Tesouro Nacional, revela que, em sete cidades do Estado - Ererê, Itatira, Pedra Branca, Viçosa do Ceará, Barro, Poranga e Granja -, o dinheiro do Fundeb, em 2019, representou mais de 90% dos recursos municipais para a educação. Ou seja, na prática, a cada 10 reais investidos nas redes municipais de ensino nestas cidades, 9 reais eram do Fundeb. Isto, porque, geralmente, nos municípios mais dependentes, a arrecadação de impostos é baixa. Estas cidades cearenses, juntas, têm 45.289 estudantes matriculados.

O levantamento do LDE também apontou que, em outros 166 municípios do Ceará, cuja soma das matrículas municipais chega a 934 mil alunos, a verba do Fundo é entre 80% e 90% do dinheiro utilizado nas redes públicas de ensino. O LDE é um grupo composto por pesquisadores das universidades federais de Goiás (UFG) e do Paraná (UFPR).

O estudo foi cedido ao SVM pelo professor Thiago Alves da UFG. A análise considera dados do Relatório Resumido de Execução Orçamentária, do Censo Escolar e da Plataforma de Dados sobre Transferências Constitucionais.

Distribuição

No Estado, a exemplo da Região Nordeste, somente na Capital a participação do Fundeb no financiamento da educação não extrapola os 60%. Em 2019, conforme a Associação dos Municípios do Estado do Ceará (Aprece), as 184 prefeituras juntas receberam no total 5,3 bilhões do Fundo. Este ano, entre janeiro e junho foram 2.7 bilhões para custeio e investimento na educação municipal. No Nordeste, o Maranhão e Alagoas têm situações de maior dependência desse dinheiro.

Principal mecanismo de custeio da educação infantil e dos ensinos fundamental e médio no País, o Fundeb é um conjunto de 27 fundos (26 estaduais e 1 do Distrito Federal), formados por impostos estaduais, municipais e federais. Em cada uma dessas poupanças, as unidades depositam 20% da arrecadação de receitas de impostos vinculados à educação, como o ICMS e o IPVA. Após a junção, o dinheiro de cada uma das contas é automaticamente dividido entre as prefeituras e os governos estaduais.

Essa divisão leva em conta o número de alunos matriculados a cada ano. O Governo Federal completa esse caixa com recursos extra de 10% das receitas dos estados. Esse dinheiro adicional retorna para os municípios mais pobres.

O mestre em economia do setor público e consultor financeiro da Aprece, André Carvalho, reforça que, além desse dinheiro do Fundeb, as prefeituras também têm que aplicar 25% de todos os tributos municipais como IPTU, ISS, ITBI na educação. Outra fonte de dinheiro para essa área, explica ele, são os repasses federais para programas como o de alimentação e transporte escolar. Os municípios que dependem mais do Fundeb são, portanto, aqueles em que essas outras receitas são menores.

Em cidades como Fortaleza, que tem tributos municipais altos, relata André, as fontes de financiamento são mais dispersas. Ele também ressalta que essa dependência do Fundeb nas cidades do Ceará historicamente se mantém acima de 80%.

"Enquanto o pacto federativo for com essa divisão de arrecadação que temos entre governos estaduais, municipais e a união, essa dependência vai existir. Com o 'novo Fundeb', a dependência vai continuar existindo? vai. E provavelmente vai aumentar, porque agora é um Fundeb mais revigorado".
Além disso, André explica que outro dilema é que o comprometimento dessa verba "está cada vez maior", sobretudo, com o pagamento dos salários dos profissionais da educação.
O uso dessa maneira, enfatiza ele, faz com que a margem para garantir outros investimentos práticos na redes de ensino seja muito pequena ou até inexistente nas cidades cearenses.

"Quando ele foi criado em 2007 você tinha os municípios cearenses comprometendo até 80% dele com folha. 60% legais que é do professor e mais 20% com outros profissionais da educação com trabalho escolar, com vigias, merendeiras, parte administrativa. Hoje, essa valor passa de 100%. Na média, os municípios cearenses comprometem mais de 100% com a folha. Então, ele se tornou insuficiente", relata André.

Mudanças

A votação na Câmara Federal, em julho, aprovou, além da continuidade dessa fonte de recursos para o custeio da educação, a alteração na redistribuição do dinheiro e aumento do valor da contribuição da União. A proposta deve ainda ser votada no Senado. A integrante da coordenação colegiada do Cedeca Ceará, Marina Araújo, entidade que faz parte do Comitê Diretivo da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, enfatiza que "sem orçamento público não há como mudar a realidade de desigualdade vivenciadas pelas crianças e adolescentes no Ceará".

Marina também ressalta que o Fundeb é vital para o funcionamento das escolas. Segundo ela, as mudanças aprovadas na Câmara Federal "representam um grande passo para o enfrentamento das desigualdades e discriminações no campo do ensino" e, acrescenta que "quem conhece, ou é público das escolas públicas, ou monitora os orçamentos públicos sabe o quanto é prioritário a garantia de um padrão de investimento".

Mais de 95% dos empregos já estão autorizados ao trabalho presencial

O Plano de Retomada Responsável das Atividades Econômicas e Comportamentais deu mais um passo em direção à totalidade da reabertura. Com avanço de fase por 143 municípios, 77% do Estado, mais de 95% dos empregos e das atividades econômicas que compõem o Produto Interno Bruto (PIB) cearense estão autorizados ao funcionamento presencial.

A estimativa é revelada pelo secretário executivo de Planejamento e Orçamento do Ceará, Flávio Ataliba. Ainda assim, ele reforça não ser possível saber quanto do efetivo cada empresa já chamou de volta. "O decreto autorizou mais de 95%, mas é difícil saber quanto efetivamente dos trabalhadores já retornaram ao serviço presencial".

Ele comemora que, completados dois meses de execução do plano, não tenha havido retrocesso no Estado. "A cada semana estamos avançando ou estabilizando. O plano tem sido um sucesso, diferente de outros estados que tiveram que fechar novamente", aponta Ataliba, destacando que um passo para trás no processo de reabertura é o pior cenário que pode acontecer.

Apesar de estar reagindo bem nos últimos dois meses, mesmo com a incerteza e a demanda ainda baixa, a consequência para a economia local poderia ser desastrosa, principalmente para as empresas. "Elas já estão fragilizadas, a demanda ainda está baixa, o crédito ainda não tem conseguido chegar para a maioria, principalmente micros e pequenas, e ainda tiveram de fazer novos investimentos para se adequar aos protocolos. Por isso, precisamos de ainda mais precaução nessa reta final", argumenta.

Subdivisões

A fase quatro do plano de reabertura, iniciada em 20 de julho em Fortaleza, foi subdividida, com o objetivo de trazer mais segurança no processo de retomada, segundo o Governo. A cada semana, os indicadores são analisados pelo grupo técnico, que autoriza ou não a volta de mais atividades. Hoje (3), a Capital está na terceira semana da fase quatro, enquanto o restante da Macrorregião de Saúde de Fortaleza avança para a primeira semana da quarta fase.

Uma diferença é que, enquanto em Fortaleza as barracas estão autorizadas a funcionar até as 23 horas, a permissão não se estende aos demais municípios que só agora entraram na fase 4. Questionado se o padrão será seguido da mesma forma nas outras macrorregiões do Estado, o secretário pontua que irá depender da publicação de cada decreto.

Alem da macrorregião de Fortaleza, avançaram de fase a de Sobral - para a 2, que marca a reabertura de restaurantes para horário de almoço - e a do Cariri - para a fase 1, com abertura parcial do comércio.

Demais setores

O analista de políticas públicas do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), Alexsandre Cavalcante, detalha que os cerca de 5% da economia que ainda não reabriu presencialmente diz respeito a setores mais delicados, cujo retorno precisa ser excessivamente debatido a fim de garantir a segurança máxima em suas operações. É o caso dos bares, eventos e educação.

Apesar de ainda aguardarem autorização, ele ressalta que as atividades podem ser exercidas de forma remota e que, inclusive, compõe o percentual da economia que está funcionando. "As escolas, por exemplo, não pararam de funcionar. As aulas continuam virtualmente, apesar de todas as dificuldades, principalmente no ensino público. Ainda vamos passar um longo período de acomodação da economia, talvez até que a vacina chegue, mas consideramos essa primeira etapa da retomada positiva, tendo em vista todas as incertezas".

domingo, 2 de agosto de 2020

Ceará confirma 176.733 casos da Covid-19

No Ceará, o total de diagnósticos positivos da Covid-19 chegou a 176.733 neste domingo (2). A informação foi confirmada pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesa) às 17h40, através da plataforma IntegraSUS. O Estado também registrou 7.710 mortes provocadas pela doença.

Os números apresentados pela Secretaria, porém, fazem referência à disponibilidade dos resultados dos testes para detectar a presença dos vírus, o que não corresponde necessariamente à data da morte ou do início da apresentação dos sintomas pelo paciente.

A letalidade da doença, até então, é de 4,4%, e dois óbitos aconteceram nas últimas 24 horas. Ao todo, já foram aplicados 471.329 testes para identificar ou descartar a Covid-19; até então, são investigados 77.714 casos suspeitos.

Pavimentação da rua Maria Rita Holanda é inaugurada em Irapuan Pinheiro (CE)

O Governo Municipal de Irapuan Pinheiro (CE) inaugurou a pavimentação em calçamento da rua Maria Rita Holanda, na sede urbana do município, numa extensão de 96 metros. 

De acordo com o prefeito Claudenilton Pinheiro, foram construídos também 192 metros de calçadas para passeios público, calçadões nos dois lados da rua e 576 metros quadrados de pavimento de pedra tosca rejuntado com cimento. 

O investimento custou para os cofres públicos a quantia de R$ 70.715,00, recursos do Governo Federal em parceria com a Prefeitura. 

veja o vídeo: