TV MEU XODÓ - A TELEVISÃO DE ACOPIARA

quarta-feira, 17 de abril de 2019

Fagner lança livro biográfico em Fortaleza

Para reencontrar fãs e outros instigados por sua música, o cantor Fagner veio a Fortaleza lançando a biografia autorizada “Raimundo Fagner: Quem me levará sou eu”. Pesquisa e escrita da experiente Regina Echeverría, a obra é agora lançada nacionalmente. Nessa noite de terça-feira, 16, o público ganhou bate-papo e sessão de autógrafos na Livraria Cultura, no bairro Aldeota.

“Fagner é uma referência no cancioneiro nacional e admirável como ser humano. Além disso, é da nossa terra, temos que prestigiar”, disse o empresário Carlos Menezes, um dentre as centenas que esperavam na longa fila da sessão de autógrafos.

“Quem me levará sou eu” trata das amizades e inimizades colecionadas ao longo da carreira de Fagner — conhecido pelo pavio curto —, bastidores de shows e gravações, entre muitos outros episódios.

O livro recebeu recursos por meio da Lei Rouanet. O cantor já havia criticado o uso de lei de incentivo, em entrevista ao jornal O Globo, em 2013. É uma política cultural, aliás, comumente criticada pela direita. “Quando olhei, a cena já estava feita, não tive muito o que fazer. Mas não gostei e reclamei”, disse ele ao mesmo jornal, em entrevista recente.

Em Fortaleza

Antes da sessão de autógrafos, em conversa com o público, no auditório da livraria, Fagner respondeu a tudo que foi perguntado. Falou, inclusive, da relação difícil com o cantor e compositor Belchior, falecido em 2017. “Na composição, foi um dos meus principais parceiros. Foram cinco ou seis músicas, só, mas ‘Mucuripe’ é uma das mais importantes. Ele me podava, mas se sentia responsável por mim”, conta, sobre a ida ao Rio de Janeiro, no início da carreira.

Ele mencionou ainda o início da Fundação Raimundo Fagner, criada em abril de 2000, para a educação complementar de crianças e adolescentes. “Lá em casa tinha um movimento danado de gente vindo de Orós pedindo ajuda. Lá, o pessoal dizia que eu era o padre, o prefeito, tudo. Então, me pediam muito as coisas”, lembra, com bom humor.

Autoria

Regina, que é amiga de Fagner desde a década de 1970, foi convidada pelo artista para fazer a biografia. Após quase três anos de trabalho e mais de 60 entrevistas e pesquisas documentais, o livro está nas lojas físicas e virtuais do País.

A autora conta que a maior dificuldade no processo de produção foi a falta de tempo do biografado. “Ele trabalha muito, tem muitos shows para fazer, muitos compromissos. É impressionante pelo tempo de carreira e idade que ele tem [Fagner vai completar 70 anos em outubro]. A gente sentar, conversar e eu fazer as entrevistas com ele foi o mais difícil”. A jornalista se diz, contudo, satisfeita com o resultado.
A biografia, de mais de 400 páginas e recheada de fotografias históricas, contempla detalhes da vida pessoal e obra do cearense, com relatos nunca antes conhecidos pelo público.

O gênero já é consolidado na carreira de Regina, que, após passagens por grandes redações de jornais e revistas, dedicou-se a biografar personalidades. A jornalista diz guiar-se pelo faro de interesse do público, com fatos que ajudam a compreender melhor o personagem e aproximá-lo do leitor. São onze títulos, principalmente nomes da música nacional (Elis Regina, Cazuza, Gonzaguinha, Gonzagão e Jair Rodrigues).

Nenhum comentário: