TV MEU XODÓ - A TELEVISÃO DE ACOPIARA

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

Consumidores propõem mudanças para reduzir reajuste de energia

Com o propósito de reduzir o índice de reajuste de energia no Ceará neste ano, representantes da indústria, de consumidores e da sociedade civil apresentaram ontem alternativas à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), em audiência presencial em Fortaleza. A agência estipulou um aumento médio de 11,62%, sendo 12,23% para alta tensão (indústria) e 11,39% para a baixa tensão (que inclui consumidores residenciais).

Na avaliação do presidente do Conselho de Consumidores da Coelce (Conerge), Erildo Pontes, uma forma de reduzir a tarifa seria a revisão do contrato da distribuidora com a Térmica Fortaleza (pertencente ao grupo Enel), uma vez que o custo do megawatt hora (MW/h) contratado é mais caro do que de outras geradoras. "Esse contrato está muito distorcido. A Térmica Fortaleza representa 34% do peso da nossa conta de energia, comprando o MW/h a R$ 301, mas equivale a apenas 23% da quantidade de MW", aponta.

Pontes argumenta que um reajuste desta magnitude poderá causar um aumento da inadimplência dos consumidores. "É um percentual muito alto para a sociedade, cuja renda é atrelada ao salário mínimo. As pessoas não têm como aumentar seus ganhos na mesma proporção".

Indústria

Com um reajuste ainda maior para as indústrias, Joaquim Rolim, coordenador do Núcleo de Energia da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), propôs a retirada dos valores referentes à previsão de risco hidrológico da tarifa, que diz respeito à possibilidade de não chover, por exemplo, e a distribuidora ter que comprar energia mais cara, proveniente do acionamento das térmicas.

"Em vez de antecipar, poderia-se remunerar a distribuidora somente se esse risco se concretizasse. Apenas essa alteração já reduziria o reajuste em quase 2 pontos percentuais", argumenta o coordenador. "Outro ponto que deve se levar em conta é que o nível de investimento da Enel impactou em 4,21% na tarifa, mas os consumidores não perceberam essa melhora. Ela até deixou de constar entre as melhores do Nordeste".

Para Rolim, a indústria não tem condições de arcar com mais esses custos. "A energia é um dos insumos mais impactantes para o custo da produção, que pode chegar a até 40% dos custos, a depender do segmento. Quando dá para repassar (para o produto final), repassa, mas quando não, a indústria tem que arcar com o custo, o que afeta a sustentabilidade das empresas".

Em análise

Segundo o diretor de regulação da Enel Ceará, Luiz Gazulha, os valores ainda estão sendo estudados pela Companhia mas, a princípio, os percentuais propostos pela Aneel cobrem os custos da empresa pelos próximos quatro anos. "Estamos ainda em discussão sobre custos operacionais e perdas regulatórias. São números preliminares e existe espaço para aprimoramento".

Gazulha destacou ainda que apenas 22,5% da receita total em discussão corresponde à parcela destinada à Enel, sendo reservada aos custos da atividade de distribuição, operação, expansão e manutenção da rede de energia. Do valor restante, 34,6% é referente ao custo da energia, 29,4% a impostos (24,2% de ICMS e 5,2% de PIS/Cofins), 9,3% de encargos setoriais e 4,2% de custo de transmissão.

"É quase um consenso que a tarifa é cara no Brasil. Mas há muitos subsídios e incentivos para que consumidores, no Norte e no Nordeste, que não têm energia elétrica, sejam atendidos. E nós pagamos por isso. É preciso que as pessoas saibam disso", disse Sandoval Feitosa, diretor da Aneel. "O que buscamos é o equilíbrio entre os agentes. O grande desafio que a Enel tem é para que a qualidade oferecida na Capital seja a mesma no Interior do Estado".

Representantes de consumidores residenciais e da indústria apresentaram ontem à Aneel alternativas para reduzir o percentual de reajuste da Enel Ceará neste ano.

Diário do Nordeste

Nenhum comentário: