TV MEU XODÓ - A TELEVISÃO DE ACOPIARA

sábado, 23 de dezembro de 2017

Tarifa de água e esgoto fica mais cara a partir de janeiro

Água
Pela terceira vez em menos de um ano, a conta de água e esgoto do cearense ficará mais cara. A partir de 22 de janeiro, a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) aplicará um incremento de 5,7%nos seus encargos, com o objetivo de chegar a uma tarifa média de R$ 3,55 por metro cúbico (m³), autorizada pelas agências reguladoras em maio de 2017.

O percentual será aplicado de forma linear em todas as categorias de consumo, para Fortaleza e os demais 150 municípios atendidos pela Companhia.

Segundo João Rodrigues Neto, gerente de concessão e regulação da Cagece, o incremento se faz necessário diante dos custos para manutenção dos sistemas de água e esgoto, elevados pelo agravamento da crise hídrica no Estado.

“A estiagem puxou os custos da empresa para cima, como por exemplo os gastos com energia elétrica, o aumento dos produtos químicos, que por conta da estiagem estamos tratando uma água cada vez pior”, comenta.

Revisão aplicada de forma parcelada

O gerente destaca, no entanto, não se tratar de uma revisão tarifária, e sim do complemento da revisão autorizada em maio deste ano pela Autarquia de Regulação, Fiscalização e Controle de Serviços Públicos de Saneamento Ambiental (ACFOR) e pela Agência Reguladora dos Serviços Públicos Delegados do Estado do Ceará (ARCE).

Na época, a revisão foi aplicada de forma parcelada, em junho e depois em setembro, mas conforme Neto, o total aplicado não atingiu o valor médio autorizado. “Nossos últimos números auditados apontam uma tarifa média de R$ 3,36 e se faz necessário que se eleve mais um pouco para atingir R$ 3,55”, afirma.

Com o aumento, clientes residenciais na categoria popular com consumo até 10 m³, o que representa mais de 75% dos consumidores, segundo Neto, terão um aumento de R$ 1,30 na fatura, se o serviço for apenas de água, e de R$ 2,34, se incluir esgoto.


“Não é um aumento impactante, mas para nós fará uma grande diferença já que precisamos equiparar os custos da prestação de serviço”, ressalta o gerente de concessão e regulação da Cagece.

DN Online

Nenhum comentário: