segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Eleições em Acopiara – definições e resultado

Entrando na reta final da campanha eleitoral de 2016, alguns pontos merecem destaque e ajudam a indicar o vencedor da disputa para prefeito em Acopiara. Sem divulgação de pesquisas de intenção de votos feitas por institutos de renome nacional – cada coligação provavelmente tem suas sondagens para consumo interno –, restam a eleitores e observadores do processo alguns movimentos e situações fáticos inescapáveis que apontam para uma vitória do Dr. Francisco Vilmar Félix Martins (PDT) em 02 de outubro com uma maioria jamais vista na história do município, é Vilmar batendo seu próprio recorde, pois em 2012 a maioria de 2.431 votos já foi a maior de todos os tempos em Acopiara. Vamos aos fatos, considerando a possibilidade de o indeferimento da candidatura do ex-prefeito ser anulado, ou seja, se imaginarmos que ele ainda será candidato.
Primeiramente, dos três candidatos que disputam a vaga para prefeito, dois já ocuparam a cadeira, e mostraram estilos de gestão completamente destoantes um do outro, o que ajuda na decisão do eleitor que pauta por uma administração séria. É inegável que o atual prefeito e candidato a reeleição, Dr. Francisco Vilmar Félix Martins (PDT), de forma diametralmente oposta ao prefeito anterior, tem administrado a cidade de maneira eficiente e eficaz, com obras que têm começo, meio e fim e com propósito definido dentro de um projeto de município com visão de presente e de futuro. Não se faz uma obra por se fazer ou apenas para se captar recursos. Cada ação da prefeitura atualmente tem uma razão de ser. Os prédios são construídos com alto padrão de engenharia onde funcionam instituições que desfrutam de móveis e equipamentos da melhor qualidade (basta se fazer uma visita às escolas, postos de saúde, hospitais construídos ou reformados na atual gestão para se constatar o que escrevo); a adutora de engate rápido evitou um colapso calamitoso; os funcionários públicos recebem seu salário todo mês e em dia, apesar da crise econômica e financeira que tem assolado diversas unidades da federação; para citar o mínimo.
Alguns afirmam que o atual prefeito perdeu muita gente por ter desgostado seus próprios eleitores e correligionários e que isso selaria sua derrota. Ora, a não ser que seja um irresponsável e não tenha zelo pela coisa pública, todo gestor, em algum momento desagradará, perdendo apoiadores e ganhando detratores. Isso é normal. Todas as pessoas que vivem em Acopiara sabem que esse movimento de se ganhar e perder eleitores sempre acontece. É um movimento de vai e vem impossível de se medir senão com pesquisas, e mesmo assim sob o risco de haver sérias distorções. Agora, certos movimentos são visíveis, notórios e podem ser avaliados.
Por exemplo, dos vereadores que foram eleitos na coligação que elegeu Dr. Vilmar em 2012, um deles – eleito com 1.198 votos – passou a apoiar o principal adversário do atual prefeito na disputa, porém três vereadores que antes pertenciam à outra coligação se tornaram eleitores do Dr. Vilmar. Esses três vereadores somaram 2.874 votos, uma diferença de 1.676. Se formos pessimistas e reduzirmos em 50% a capacidade de transferência de votos desses três vereadores, diremos que eles levam para o Dr. Vilmar pelo menos 800 votos, ou seja, são 800 votos a menos na outra coligação e 800 a mais na coligação do Dr. Vilmar. Isso significa que a diferença em favor do Vilmar é de 1600 votos. Se, como eu imagino, o movimento de vai e vem de eleitores não tiver alterado a vantagem do Dr. Vilmar, que foi de 2.431 votos em 2012, e somando os 1.600 votos dados ao atual prefeito pelos três vereadores, hoje, a vantagem do gestor municipal sobre seu adversário mais próximo seria de cerca de 4 mil votos.
Se reduzirmos mais ainda a capacidade de transferência de votos dos três vereadores para meros 30%, então teríamos 480 votos retirados do ex-prefeito e somados para o atual, o que somaria 960 votos de diferença entre o Dr. Vilmar e o ex-prefeito. E, mais uma vez, supondo que não houve alteração muito forte na vantagem que o Dr. Vilmar obteve sobre seu adversário em 2012, e somarmos essa vantagem com os 960 votos dos três vereadores, poderíamos então supor que o Dr. Vilmar ganhará a eleição com 3.391 votos, mais uma vez um recorde histórico.
Outro fator importante a ser considerado na disputa em Acopiara é, finalmente, e para alegria de muitos, inclusive minha, o Partido dos Trabalhadores (PT) ter lançado candidatura própria, deixando de ser o que para muitos era uma sigla de aluguel para os desmandos do ex-prefeito e passando a ser uma força independente e importante na cidade. Tendo sido um partido que desde 1992 dava apoio ao ex-prefeito e atual candidato à prefeitura, o PT foi composto quase que totalmente de eleitores do ex-prefeito. Torna-se evidente que os votos que o candidato a prefeito Ícaro Gaspar (PT) obtiver serão votos que, na ausência de um candidato do PT, iriam para o ex-prefeito. Isso aumenta ainda mais a vantagem do Dr. Vilmar sobre seu adversário.
Finalmente, um indeferimento de uma candidatura, a essa altura da campanha eleitora, é um baque que provoca um desgaste tão grande a um desânimo tão feroz, que, mesmo que se consiga reverter a situação e manter a candidatura, os efeitos nefastos já fizeram o seu trabalho de tirar o ânimo não só do candidato como também do eleitor.
Por essas e outras razões entendo que a vitória do Dr. Vilmar em 2016 é certa e segura, salvo um acontecimento inesperado e de proporções incalculáveis. Gostando ou não, Francisco Vilmar Félix Martins será prefeito de Acopiara ainda até 2020.

Prof. Dr. Nabupolasar Alves Feitosa
Postar um comentário