quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Greve de professores da rede estadual passa dos 100 dias

Do dia em que foi confirmada a paralisação de professores da rede estadual de ensino, em 25 de abril, até hoje, 102 dias já se passaram. No período, a proposta de destinação de recursos para a Educação feita pelo governador Camilo Santana (PT) passou de R$ 18 milhões para R$ 80 milhões. Mesmo com o avanço, a maioria dos quase mil professores presentes na última assembleia, realizada sábado, 30, apoiou a manutenção da greve.

“Esses R$ 80 milhões ainda correm risco de serem perdidos”, avaliou Anísio Melo, presidente do Sindicato dos Professores e Servidores da Educação e Cultura do Estado e Municípios do Ceará (Apeoc), em coletiva de imprensa ontem. “O Governo fica protelando a efetivação das propostas”, pontuou.

Alem disso, segundo Melo, o orçamento proposto já ultrapassou o limite de alerta e está se aproximando do limite prudencial imposto pela Lei de Responsabilidade Fiscal — que é 46,17% da receita líquida do Estado. Esse excesso pode comprometer ganhos conquistados.

Para o professor George Bezerra, 33, a Apeoc está acatando as propostas do Governo. O ajuste salarial a partir da data-base, 1º de janeiro — o chamado retroativo —, não é uma proposta defendida pelo sindicato, critica George. “Eles (o sindicato) não representam um monte de gente”.

Dentre as proposições do sindicato estão o reajuste salarial de 12,67% e o fim do embarreiramento profissional, que permite a evolução da carreira sem a dependência de titulação (graduação e pós-graduação). O reajuste salarial proposto pelo Governo, até agora, foi de até 9,8%.

O POVO
Postar um comentário