TV Meu Xodó - A TV da nossa gente!

segunda-feira, 7 de outubro de 2019

Ceará é o segundo estado do Nordeste em amputação por diabetes

"Não se desespere não, nem pare de sonhar. Nunca se entregue, nasça sempre com as manhãs. Deixe a luz do sol brilhar no céu do seu olhar. Fé na vida, fé no homem, fé no que virá". Os versos da letra "Semente do Amanhã", do inesquecível Gonzaguinha, acompanharam o músico Renato Assunção, 41 anos, durante um dos momentos mais difíceis de sua vida.

Embora conviva com a diabetes desde os 11 anos de idade, os transtornos da doença só chegaram 24 anos depois. Em 2013, o cantor passou três meses internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) por conta de complicações da diabetes. Os problemas acarretam a necessidade de amputação das suas duas pernas, em momentos diferentes de sua vida. A esquerda foi amputada naquele ano; a direita, em 2019.

Nessa época, o cantor lembra que fumava, e a nicotina contribuiu para o desenvolvimento de uma trombose. "Tive vários problemas. O cigarro também provocou a amputação, porque entopiram as veias. Além disso, tive calos e ferimentos nos calcanhares. Não tinha mais jeito para a perna esquerda", revelou.

Antes da retirada do membro, Renato foi internado três vezes e ficou em estado de coma na UTI. Das dificuldades, porém, vêm a superação. "A música me tirou do leito da UTI. Minha mulher, Eliane Miguel, colocava os fones para eu ouvir Gonzaguinha. E eu fui voltando", ressalta.

Apesar do abalo que a perda do membro esquerdo acarretou, Renato teve que dar a volta por cima. Foi preciso se readaptar, aprender a andar com as muletas, dirigir carros adaptados e deixar de praticar aviação - uma das suas paixões. Ao mesmo tempo, ele começou um tratamento com oxigênio hiperbárico, utilizado para evitar complicações na perna direita. Contudo, depois de cinco anos, houve agravamento na região; as artérias ficaram totalmente entupidas e, em fevereiro deste ano, o músico realizou a segunda amputação.

Registros

Procedimentos hospitalares de amputação de membros por conta de problemas de saúde em decorrência de diabetes - como o de Renato Assunção - somaram 466 procedimentos em unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) do Ceará, até julho deste ano. Em média, são 67 amputações por mês. Nos últimos três anos, foram 1.764 ocorrências, deixando o estado cearense em segundo lugar no Nordeste, ficando atrás apenas da Bahia, com 2.607 amputações, de acordo com o Ministério da Saúde.

A diabetes é uma doença que afeta os vasos sanguíneos, o que provoca a neuropatia diabética, um distúrbio nervoso ocasionado pela grande quantidade de glicemia no sangue. Conforme a endocrinologista Lilian Loureiro Cavalcante, presidente da Sociedade Brasileira de Diabetes no Ceará, a complicação pode provocar amputações. "Relacionada a isso, você tem um trauma que abre um ferimento e gera uma úlcera que, se não for tratada adequadamente, pode levar a outras complicações. Logo, isto culminará na retirada de um dedo, um pé e, às vezes, dependendo do problema, se ele se estender, pode ocasionar a retirada do membro todo", explica.

Áreas afetadas

Conforme dados obtidos pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), por meio do Datasus, a maioria das amputações causadas pela diabetes, contudo, não são de membros inferiores. Dos 466 procedimentos realizados até julho deste ano, 179 casos de amputação de dedo foram registrados, o que representa 38,41% do total. Em seguida, vem a de membros inferiores (perna), com 170 casos registrados; e o número de amputações de pé e tarso, com 117 procedimentos.

O eletricista aposentado, Benedito Pereira, 57, tem diabetes há mais de vinte anos. Por conta da doença, ele teve problemas renais e precisou fazer um transplante. Depois de todo o processo, em 2017, um simples "canto de unha" gerou uma grande infecção. "Eu fui ao médico devido ao problema no cantinho do meu dedo, fui internado imediatamente e tiraram meu dedo. Três dias depois, eles tiveram que tirar o pé. Após uma semana, eu já não tinha mais minha perna", recorda.

"A infecção pode começar com uma pequena ferida no dedo. Por conta do comprometimento do sistema nervoso ocasionado pela diabetes. A pessoa não percebe a dor nos membros inferiores, ela pode se ferir e não notar. Essa ferida gera um processo infeccioso. O sistema vascular, já tão comprometido, não consegue oxigenar a área e, assim, não consegue vencer a infecção", explica Lilian Loureiro.

Cuidados

O "Pé diabético", como é chamada a complicação da diabetes quando há um machucado nos pés e pode levar à amputação do membro, pode ser prevenido, segundo a endocrinologista. "Precisa sempre ter um olhar diferente para os pés. O médico deve cumprimentar o paciente diabético pelos pés. São áreas mais sensíveis, e o paciente também deve ficar atento aos pés todos os dias, pois ele pode sofrer uma lesão e não perceber. Se tiver um cuidado maior com a área, a chance de uma infecção diminui bastante. Certas condutas podem reduzir a formação dos pés diabéticos", reforça a médica.

Após a perda dos membros, Renato Assunção redobrou os cuidados com a doença. Ele ainda sente dores ocasionadas pelos procedimentos. Contudo, para o cantor, uma das maiores dificuldades foi ter passado dois anos afastado dos palcos, após a primeira amputação. As "dores fantasmas" nas pernas continuam até hoje, mas ele revela ter se erguido com o apoio dos familiares. "Tive que readaptar a mente para lidar com as perdas", afirma.

Diário do Nordeste

Nenhum comentário: