TV MEU XODÓ - A TELEVISÃO DE ACOPIARA

sábado, 21 de setembro de 2019

Advogado já foi investigado por atirar e ameaçar matar operários

O advogado Aldemir Pessoa Junior, suspeito de ser o autor do disparo que resultou na morte da empresária Jamile de Oliveira Correia, já respondeu um inquérito em que foi acusado de efetuar disparos de arma para o alto e contra operários há 14 anos em um terreno. As supostas agressões, conforme os depoimentos, foram motivadas por conta de uma disputa judicial pela posse do imóvel. A reportagem do Sistema Verdes Mares teve acesso, com exclusividade, aos depoimentos que detalham a ação de Aldemir em julho de 2005.

Na ocasião, conforme o depoimento de uma das testemunhas, ela estava trabalhando na construção de uma casa num terreno situado na Rua do Córrego, bairro Edson Queiroz, no dia 3 de julho de 2005, quando Aldemir chegou ao terreno "armado com uma pistola e passou a intimidar as pessoas". O operário disse ainda que Aldemir "ameaçou as pessoas" e afirmou que "se não se retirassem metia bala".

Após as ameaças, o advogado Aldemir efetuou três disparos para o alto e depois mais tiros em direção às pessoas, conforme o relato da testemunha. A situação se agravou, de acordo com o depoimento. Com a arma em punho, Aldemir encostou a pistola na cabeça de um adolescente, caiu num buraco da construção e a arma disparou. Nesse momento, todas as pessoas saíram correndo do local.

Ainda segundo o depoimento, o advogado proferiu mais ameaças e disse que era um dos donos do imóvel e "mataria quem entrasse naquelas terras". No entanto, dias depois, a testemunha retificou o depoimento e disse que o advogado apenas "atirou para o chão". No entanto, outras quatro pessoas confirmaram a primeira versão do mestre de obras sobre os disparos contra as pessoas e também as ameaças de morte.

Quando foi ouvido na época, Aldemir negou ter atirado contra as pessoas. Ele relatou que seguranças entraram no terreno e ele sacou a pistola e efetuou dois disparos para o chão. Aldemir contou que empurrou o mestre de obras e mandou ele sair do terreno, mas negou ter encostado a arma na cabeça do adolescente. Ontem, o advogado de defesa dele disse que o caso foi arquivado e preferia não comentar.

Nenhum comentário: