TV MEU XODÓ - A TELEVISÃO DE ACOPIARA

segunda-feira, 18 de março de 2019

Tasso Jereissati – Momento é propício para aprovar a reforma da Previdência

Apesar de crítico ferino da atual gestão, o senador tucano Tasso Jereissati mostra forte preocupação com o possível fracasso da agenda econômica do governo. Em entrevista ao Valor Econômico desta segunda-feira, ele diz que quer ajudar a aprovar a reforma da Previdência, mas é contrário à adesão formal do PSDB ao governo.

Para Tasso, a visão “marcadamente conservadora dos costumes, ponto central da agenda do PSL e do presidente Jair Bolsonaro, é uma diferença clara” entre o grupo político que está no poder e os tucanos.

“Nosso espaço é este, uma visão liberal na economia, bastante liberal nos costumes e que vê o Estado como elemento regulador e atuante na questão dos desequilíbrios sociais”, observou.

Para Tasso, relator da Comissão Especial do Senado que acompanhará a Reforma da Previdência, nunca houve momento tão propício à aprovação dessa matéria. Mas ele lembra que o tempo corre contra o governo e as maiores dificuldades sequer começaram.

“A pressão das corporações [do funcionalismo público] ainda nem começou”, advertiu. O tempo “ótimo” para o governo colocar a reforma em tramitação, que seriam os dois primeiros meses do mandato, já foi perdido. “Na Câmara, tem que passar até julho. Voltando do recesso parlamentar sem ter resolvido na Câmara, fica muito difícil. Passa uma coisinha ou outra, mas bem magrinha.”

Na opinião do senador, o problema está no próprio governo e, essencialmente, nas atitudes do presidente. “Parece que Bolsonaro ainda não assumiu o papel de presidente da República. Ele está fomentando a discórdia. É a antítese do que um presidente quer para o seu governo”, afirma.

Tasso lamenta que o governo do presidente Jair Bolsonaro esteja queimando capital político com questões “inúteis”, bate-bocas entre ministros e contradições internas, como a existente entre a agenda liberal e “globalista” do ministro da Economia, Paulo Guedes, e a antiglobalização defendida pelo chanceler Ernesto Araújo.

Nenhum comentário: