TV MEU XODÓ - A TELEVISÃO DE ACOPIARA

quinta-feira, 7 de junho de 2018

Caminhoneiros ameaçam radicalizar, se tabela do frete mínimo for alterada

Enquanto setores se movimentam para mudar a tabela do frete mínimo, os caminhoneiros acompanham o andamento das negociações em Brasília. Nas redes sociais, os profissionais autônomos temem que o lobby dos grandes grupos consiga derrubar a tabela recém-instituída pelo Governo como contrapartida ao fim da greve.

“Se essa tabela cair, vai ter uma greve pior que a última. E aí não vai ter negociação, pois eles vão querer provar para o mundo que são fortes, vai ser uma grande revolta”, diz Ivar Luiz Schmidt, representante do Comando Nacional do Transporte (CNT). “Tá todo mundo só esperando que a tabela seja derrubada para parar tudo de novo”, afirma. “E, pelo que estou vendo no WhatsApp, pode ter certeza de que isso vai acontecer”, destaca.

A tabela de preço mínimo do transporte rodoviário – definida às pressas pelo Governo para interromper a greve na semana passada – é considerada a maior vitória dos caminhoneiros nos últimos tempos. Mas, diante da reação do empresariado (principalmente representantes do agronegócio), eles começam a temer que essa seja revogada.

“Não vejo coisa muito boa pela frente, mas vamos lutar para encontrar um meio-termo para ambas as partes”, afirma José Fonseca Lopes, presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam).

Uma tabela de preço mínimo vinha sendo negociada no Congresso antes da greve e da medida provisória ser emitida. Schmidt acrescenta que desde 2016 essa proposta vem sendo negociada, sem sucesso – com as condições precárias de trabalho dos motoristas de caminhão no Brasil sendo ignoradas.

Nenhum comentário: