TV Meu Xodó - A TV da nossa gente!

quinta-feira, 10 de setembro de 2020

Vacinação contra raiva começa neste sábado no Ceará

Com o objetivo de evitar a propagação da raiva no Ceará, a Campanha de Vacinação Antirrábica começa neste sábado (12) e segue até o fim de outubro. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde de Fortaleza (SMS), a meta deste ano é vacinar cerca de 80% de cães e gatos da capital.

Conforme a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), o estado tem aproximadamente 1,6 milhão de domicílios com cachorros ou gatos, e 70% das residências tiveram ao menos um animal vacinado contra a doença no ano passado. As vacinas estaduais são fornecidas pelo Ministério da Saúde.

Segundo dados da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), foram vacinados quase 576 mil animais no estado no ano passado. Já a SMS, registrou a vacinação de cerca de 438 mil cães e gatos em Fortaleza em 2019.

Para o médico veterinário e professor do Centro Universitário Fametro (Unifametro), Daniel Couto Uchoa, é necessário realizar anualmente a vacinação contra a raiva, devido à doença ser de alta letalidade.

Ele explica que o animal pode contrair a doença em casos de ataque de um cão não vacinado, de um macaco ou até mesmo de uma raposa. “Quase todas as pessoas ou animais que pegam raiva, vem a óbito, daí a importância da vacinação anual para o controle e para não ter casos de raiva”.

Precauções

Além disso, o médico veterinário aponta a importância do animal estar com todas as outras vacinas em dia. Uchoa diz que isso evita que “o proprietário tenha que gastar bem mais para tratar uma doença que poderia ser prevenida por meio da vacinação nas datas corretas”.

O veterinário acrescenta que para além das vacinas, a vermifugação também precisa ser realizada a cada três meses. “Um cão mal vermifugado em casa pode transmitir zoonoses para a família, principalmente para as crianças, idosas e mulheres grávidas, que é um grupo de risco maior”, alerta.

Adoção na pandemia

Em abril deste ano, a gestora de Recursos Humanos (RH), Priscilla Moura, 31, resgatou a cachorrinha Mag de uma ONG de animais. “Eu decidi que queria adotar em vez de comprar. Meus cachorros sempre foram adotados, nunca comprei, dessa vez não ia ser diferente”, explica.

Com apenas 45 dias de vida, Mag passou dois meses em tratamento para doenças encontradas no olho e na barriga. Após o período, o veterinário aplicou cinco vacinas no animal, como a da gripe e raiva.

Priscilla aponta ainda que Mag, hoje com seis meses, também tem cumprido a tabela para aplicação do remédio de verme, e mensalmente, toma o comprimido para carrapato. “De grande importância a questão das vacinas no período certinho, não só para a saúde do animal, mas a nossa também”, pontua.

Nenhum comentário: