TV Meu Xodó - A TV da nossa gente!

terça-feira, 2 de abril de 2019

Farmácias do Ceará vão elevar preços dos remédios em até 15 dias

O preço dos remédios vendidos com receita subirá até 4,33% no Brasil. No Ceará, o aumento chegará completamente a farmácias em, no máximo, 15 dias. Isso porque o varejo aguarda a nova tabela da indústria farmacêutica para repassar ao consumidor final. Já o percentual aplicado sobre o produto dependerá de cada estabelecimento. O reajuste, que entrou em vigor ontem, é definido pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), do Ministério da Saúde (MS).

De acordo com Maurício Filizola, diretor-tesoureiro do Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos do Estado (Sincofarma), algumas empresas conseguem segurar o acréscimo em razão de um estoque robusto. "Na medida em que as farmácias vão recebendo os novos valores é que elas podem operacionalizar, o que leva de uma semana a 15 dias", estima. Entram no cálculo fatores como a inflação brasileira, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), variação cambial e tarifas de energia.

Segundo a CMED, será uma correção igualitária para os três grupos de insumos: os de maior concorrência, moderada e concentrada. Atualmente, mais de 12 mil apresentações de medicamentos são comercializadas no País. Joseph Vasconcelos, professor do Departamento de Teoria Econômica da Universidade Federal do Ceará (UFC), explica que o segmento não tem indicador próprio.

"Na inexistência de um índice oficial de preços específico para o setor de fármacos, a empresa reguladora tenta captar a inflação de custo adicionando alguns componentes ao IPCA para se chegar ao percentual de aumento a ser autorizado", esclarece. São levados em conta então os insumos usados pela indústria farmacêutica, como energia e componentes químicos comprados no mercado externo. O reajuste é aplicado para equilibrar as receitas e os custos do setor.

De acordo com a última Pesquisa de Orçamentos Familiares do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a participação dos remédios na despesa orçamentária foi de 2,3%, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), em 2018.

A aposentada Maria Aridne Girão, 77, sabe bem do aperreio que é precisar destinar parte da sua renda para medicação. Ela gasta R$ 300 da sua aposentadoria para comprar fármacos mensalmente. "Parece que sobe de dois em dois meses", relata. Os frequentes aumentos observados por ela ocorrem devido a inflação dos produtos farmacêuticos, que ficou em 3,16% na RMF, nos últimos 12 meses.

Em nota, o Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sindusfarma) destacou que o reajuste "não acarreta aumentos automáticos e imediatos". Érico Veras Marques, pesquisador da área de finanças pessoais e comportamentais da (UFC), acredita que a saída é uma boa saúde financeira. "O consumidor está passando pelas altas da conta de energia, plano de saúde, medicamentos, e está num ambiente onde não tem aumento de salário. Enquanto o ambiente econômico não melhora, o consumidor tem que tomar cuidado no processo de endividamento".

O POVO

Nenhum comentário: