TV MEU XODÓ - A TELEVISÃO DE ACOPIARA

terça-feira, 18 de dezembro de 2018

Desenvolvimento econômico do Ceará é o mais alto do Nordeste, aponta Sebrae

O Ceará tem o mais alto nível de desenvolvimento econômico entre os estados do Nordeste, revela pesquisa elaborada pelo Sebrae Minas Gerais. O Estado apresentou o melhor resultado do Índice Sebrae de Desenvolvimento Econômico Local (ISDEL), com uma pontuação de 0,365.

Entre os estados brasileiros, porém, o Ceará fica na 13ª colocação. O ranking nacional é liderado por São Paulo (0,538), Rio de Janeiro (0,491) e Distrito Federal (0,473). O indicador utiliza uma escala que varia entre 0 e 1, de acordo com o nível de desenvolvimento de cada localidade.

"Melhor colocado no Nordeste e em uma posição intermediária no Brasil, o Ceará se destacou nos itens Tecido Empresarial e Governança para o Desenvolvimento. Em nenhuma categoria o Estado ficou em uma posição muito baixa", destaca Paola La Guardia, analista do Sebrae Minas. Segundo a instituição, a categoria "Tecido Empresarial" está relacionada à existência de elementos do tecido social, tecido empresarial, programas e ações associativistas. E a categoria "Governança para o Desenvolvimento" está relacionada à participação e controle social, articulação e gestão pública. Em ambas, o Ceará foi o nono colocado.

Por outro lado, os piores resultados do Ceará foram nos itens "Capital Empreendedor", que trata de educação, renda e densidade empresarial, e "Inserção Competitiva", referente a informações de comércio internacional. Em ambas, o Estado ficou na 16ª posição. E no item "Organização Produtiva", que avalia aglomerações produtivas, e diversificação produtiva e vantagens locais, o Ceará ficou na 12ª posição. Ao todo, o Isdel analisa 30 indicadores divididos nestas cinco dimensões.

"Nos últimos anos, o ambiente de negócios no Ceará vem melhorando, seguindo, por exemplo, o que fez a Junta Comercial de Minas Gerais, que digitalizou a rede Simples, com mais agilidade tecnológica, dando mais rapidez para a abertura de empresas", diz o economista Ricardo Eleutério. "Isso contribui para o desenvolvimento econômico das empresas".

Nenhum comentário: