TV MEU XODÓ - A TELEVISÃO DE ACOPIARA

sexta-feira, 18 de maio de 2018

Embora baixa, recarga do Castanhão deve garantir água para a Grande Fortaleza neste ano e parte de 2019, diz Cogerh

O Açude Castanhão deverá continuar atendendo a população da Região Metropolitana de Fortaleza em 2019. De acordo com o presidente da Cogerh, João Lúcio Farias, o Castanhão deverá seguir com abastecimento da demanda deste ano e manter uma reserva para o ano que vem.

O Açude Castanhão abastece seis cidades no Vale do Jaguaribe, com pelos menos 600 mil habitantes. Além disso, abastece a Região Metropolitana de Fortaleza, com mais de quatro milhões de pessoas. Castanhão há anos vem sofrendo com a seca e no início de 2018 estava com pouco mais de 2% da sua capacidade. Com baixo volume o açude deixou de abastecer o município de Fortaleza

O presidente da Cogerh reforça que é importante ter uma reserva para 2019. “Temos águas para atender neste ano e vamos também deixar uma reserva para o ano de 2019. Para que a gente possa esperar o inverno de 2019 e também a transposição do Rio São Francisco para que a gente e fazer um novo planejamento no próximo ano”, disse.

Mas, apesar da paisagem verde e algumas partes do açude que estava seco exibir água, a situação não é tão boa. O açude está longe de abrir as comportas. Elas foram abertas em 2004, na primeira cheia, e em 2009, na mais recente. A notícia boa é que, mesmo longe do volume ideal, o açude já voltou a contribuir no abastecimento de Fortaleza e Região Metropolitana.

Segundo o administrador do Castanhão, Fernando Pimentel, o cenário é de alegria, mas longe de trazer muitos benefícios. “Esse ano ganhamos onze metros e 80 centímetros de coluna de água. Quase 12 metros isso significa mais de 6% de volume acumulado e isso é interessante. Porém a quem da expetativa e abaixo da necessidade”.

Em maio de 2017, o Açude Castanhão acumulava 5% de água. Secou até começar 2018 com apenas 2% da capacidade. A situação que levou o governo do estado a suspender a utilização da água do Castanhão em fevereiro.

G1

Nenhum comentário: