TV MEU XODÓ - A TELEVISÃO DE ACOPIARA

terça-feira, 17 de abril de 2018

Por unanimidade, STF torna Aécio Neves réu na Lava Jato

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) tornou o senador Aécio Neves (PSDB-MG) réu na Lava Jato nesta terça-feira (17). Agora, o tucano, que também é alvo de outras oito investigações, responderá a um processo criminal na Corte.

De forma unânime, o Supremo aceitou as acusações de corrupção passiva e obstrução da justiça contra o senador. Todos os cinco ministros votaram por aceitar a denúncia: Marco Aurélio Mello, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux e Alexandre de Moraes.

Também são acusados no mesmo processo a irmã de Aécio, Andrea Neves, o primo do senador, Frederico Pacheco de Medeiros, o “Fred”, e o assessor parlamentar Mendherson Souza Lima. O ministro relator Marco Aurélio Mello chegou a desmembrar a denúncia, deixando apenas Aécio com o foro especial, mas a 1ª Turma derrubou a decisão e todos responderão perante o Supremo.

Segundo colocado na última eleição presidencial e ex-presidente nacional do PSDB, Aécio Neves foi gravado pelo empresário Joesley Batista solicitando R$ 2 milhões, que foram pagos em dinheiro vivo a seu primo, Frederico Pacheco de Medeiros, também acusado na denúncia, em ação gravada e monitorada pela Polícia Federal.

Aécio foi acusado na delação da JBS, que também implicou o presidente Michel Temer, o qual teve a denúncia contra si barrada pela Câmara dos Deputados. O acordo de colaboração da JBS foi questionado judicialmente e os delatores Joesley e Wesley Batista foram à prisão por se beneficiarem no mercado financeiro do vazamento da própria delação.

Em artigo publicado na Folha de S. Paulo nesta terça, Aécio Neves disse que errou em ter pedido dinheiro emprestado, mas negou cometimento de crime. Ele afirmou que encontrou Joesley “de boa fé” e acreditou que a origem do dinheiro era lícita, mesmo sendo pago em dinheiro vivo.

Aécio afirma que precisava da quantia para pagar advogados e nega ter cometido qualquer ato de ofício em favor do empresário. Em palestra nos EUA nesta segunda (16), o juiz Sérgio Moro, que não cuida do caso de Aécio devido ao foro privilegiado do senador, afirmou a tese de que não é necessário se estabelecer um ato específico do agente público para se configurar crime de corrupção, mas apenas a promessa de benefícios futuros.

Jovem Pan 

Nenhum comentário: