TV Meu Xodó - A televisão de Acopiara

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Inpe prevê chuvas abaixo da média no primeiro trimestre

Capitais-nordestinas
Dentre as nove capitais nordestinas, Fortaleza foi a que registrou o menor volume de chuvas no último mês de 2017. A Capital cearense acumulou apenas 14,6 milímetros em dezembro, quase 72mm a menos que a líder Teresina, no Piauí, onde o acúmulo foi de 86,4mm no período, de acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). A projeção do instituto para este trimestre - meses de janeiro e fevereiro, que correspondem à pré-estação no Ceará; e março, primeiro mês da quadra chuvosa cearense -; também não é favorável: segundo o Inpe, a probabilidade de a Região Nordeste ter chuvas abaixo da média no período é de 40%, contra 35% de provável volume dentro da média e 25% acima.

A nível estadual, historicamente, o mês de dezembro é de baixos volumes de precipitações. A situação se repete em toda a Região Nordeste, conforme reforça o Inpe. "Em dezembro, começam a ocorrer chuvas mais regulares no Maranhão, sul do Piauí e sul e oeste da Bahia. Já em janeiro, embora os maiores volumes acumulados ainda fiquem concentrados nestes estados, começam a ocorrer no Ceará algumas pancadas de chuva associadas à pré-estação chuvosa", avalia o instituto.

Até o último domingo (7), o acúmulo de chuvas em Fortaleza em 2018 também figura entre os menores índices da Região, segundo dados do Inpe. Enquanto em São Luís, no Maranhão, e em Teresina, no Piauí, choveu 45,2 e 7,4 milímetros, respectivamente, a Capital cearense acumulou apenas 2,4 mm de precipitações - cerca de 74% abaixo da média prevista para o mês. Entretanto, conforme ressalta o meteorologista da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), David Ferran, os números "ainda não podem ser parâmetro", já que "a tendência é que as chuvas aumentem" no período.

"Em dezembro, a média histórica é de 31 mm; janeiro, 99 mm; fevereiro, 119 mm; março 203 mm. Ou seja, gradativamente, tende a chover mais, conforme o período de quadra chuvosa se aproxima", explica Ferran. Segundo o especialista, as regiões cearenses onde mais choveu no último mês do ano passado foram o Maciço de Baturité, com 60 mm; seguido do Litoral do Pecém, com 38 mm; e do litoral de Fortaleza, com 33 mm. Nos primeiros sete dias de 2018, foram as regiões de Ibiapaba (43 mm) e Cariri (21 mm) as responsáveis pelos maiores volumes de chuva no Estado, como aponta Ferran.

Influência

As maiores ocorrências chuvosas em estados vizinhos ao Cearense, porém, lamenta o meteorologista, "não influenciam em nada no Ceará", mesmo sendo causadas, em geral, pelos mesmos fenômenos - análise reforçada pelo instituto nacional. "Uma das principais causas das chuvas no Nordeste durante o verão é o Vórtice Ciclônico de Altos Níveis (VCAN). Embora em algumas situações possam ocorrer pancadas de chuvas isoladas associadas ao calor e à umidade, a maior parte das precipitações durante a estação chuvosa no Ceará está associada a um fenômeno meteorológico que atua também nos demais estados do Nordeste", esclarece o Inpe.

Outro importante mecanismo que pode favorecer a ocorrência de chuvas no Ceará e em outros estados nordestinos é a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) - fenômeno que, por outro lado, pode ser a causa do déficit chuvoso na região. "Quando este sistema fica situado ao norte de sua posição climatológica, grande parte do Nordeste enfrenta uma estação com precipitações deficitárias, como observado nos últimos anos", aponta o instituto.

Previsão

As expectativas para os próximos três meses, como projeta o Inpe, não são animadoras. Em reunião realizada no mês passado, o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), em parceria com outras instituições ligadas ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, apontou para "uma situação preocupante para o Nordeste", como define o instituto.

As previsões mais recentes indicam que a ZCIT deve atuar de forma desfavorável à região, permanecendo mais para o norte de sua posição, "o que resultaria em déficit de precipitação para a Região do Nordeste no trimestre janeiro/fevereiro/março", conforme o Inpe.

A previsão não aponta as probabilidades de chuvas para o Ceará, mas reforça que o Estado, assim como quase 100% da Região Nordeste, está inserido em uma faixa negativa, a qual prevê 40% de chances de precipitações abaixo da média no trimestre. O prognóstico das chuvas no Estado, entretanto, só deve ser divulgado pela Funceme no próximo dia 19.

Diário do Nordeste

Nenhum comentário: