TV MEU XODÓ - A TELEVISÃO DE ACOPIARA

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Bolsa Família sustenta um milhão de lares no CE; Estado é o 5º do País em número de beneficiários

Municípios com mais benefícios
No Ceará, 1.041 milhão de famílias depende do Programa Bolsa Família. Isso coloca o Estado no quinto lugar do País e terceiro no Nordeste com maior número de beneficiários. O primeiro é a Bahia com 1.833 milhão de famílias, seguida por São Paulo, com 1.535 mi; Pernambuco, 1.154 mi e Minas Gerais, com 1.058 milhão. Os dados do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) são de dezembro deste ano e também apontam que a fila de espera nas 27 unidades de federação foi zerada.

Neste mês, 204 mil novas famílias entraram no Programa, sendo 10.2 mil no Ceará, em comparação com novembro passado. No País, são 13.8 milhões de famílias que recebem um valor médio de R$ 179,41. Segundo o MDS, o pagamento deste mês começou na última segunda-feira e prossegue até o dia 22. Serão repassados cerca de R$ 2,4 bilhões. No Ceará são pouco mais de R$ 186.384 milhões.

Ainda de acordo com o MDS, Fortaleza lidera o ranking cearense com maior número de pessoas atendidas, com 189,3 mil famílias, com rendimento médio de R$179,55. Caucaia é o segundo, com 25,6 mil; seguido por Juazeiro do Norte (21,6 mil); Itapipoca (18,9 mil) e Sobral (17,7 mil). Em relação à frequência escolar, um dos principais condicionantes para manter o benefício, das 1.011 milhão de crianças favorecidas, 93,54% do total ou 946,2 mil são acompanhadas.

Dessas, 95,74% mantiveram a ida à escola regulamente. Com isso, o Estado e o Rio Grande do Norte têm o segundo pior índice do Nordeste. O pior é Sergipe com 92,91% da frequência. No Brasil, São Paulo detém o mais baixo percentual, com apenas 88,72% de suas 1.5 milhão da população entre 7 e 14 anos na escola.

Na visão de especialistas, como a professora e pesquisadora do Núcleo de Estudos de Gênero Idade e Família (Negif), da Universidade Federal do Ceará (UFC), Maria Dolores de Brito Mota, o programa foi e continua sendo fundamental, e poderia ser até mais abrangente.

"Ele é o início do processo de justiça social. Até porque as mães que atualmente recebem o benefício fazem parte de uma geração que não teve acesso à escola que é o caminho mais seguro para a cidadania plena", afirma a professora.

Mulher


Além disso, analisa, o pagamento é feito diretamente à mulher responsável pela família, o que levou a um processo de empoderamento em seus lares. Com um poder sobre os gastos familiares, as beneficiárias decidem mais sobre as compras e têm mais controle sobre sua vida conjugal.

Um dos grandes desafios é que a faixa da população mais jovem e mais pobre não acredita que a educação é o caminho para a construção de um futuro que é direito.

O ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, destaca que o cruzamento das informações declaradas pelos beneficiários no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal com as que constam nas diversas bases de dados oficiais garante que o benefício chegue a quem realmente precisa. "Além disso, zeramos a fila de espera pela primeira vez e estamos mantendo-a zerada há sete meses".

DN Online

Nenhum comentário: