quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Blog faz defesa em relação aos ataques nervosos da oposição de Quixelô que fala demais e não age

Um textão para não dizer nada e ainda dar razão ao blog foi o que escreveu o mimado e nervoso Douglas.

Rapidamente:

1 – Ao citar os outros como fichas sujas ele coloca na prática a sua inversão de valores. O blog apurou e constatou que os vereadores da situação são limpos e não têm problemas com improbidade administrativa, com exceção do vereador e pai do mimado, Chico Ribeiro.

2 – O nervoso e mimado Douglas não usa nenhuma linha de seu texto para defender seu pai a quem ele chama de Velho Chico.

3 – Novamente ele inverte os valores quando chama a gestão de Fátima Gomes de ‘Vergonhosa’, mas esquece que vergonhoso é deixar um rombo de nove milhões de INSS, desvio de dinheiro dos consignados dos funcionários da Prefeitura e ter um pai que se dizia intocável na sua probidade condenado por cheques sem fundos e outros crimes.

4 – Votaram contra os professores as gestões que o senhor aprova que não deram os aumentos; pagavam salários atrasados e preferiam perseguir as pessoas até nas suas casas. A Era da Chibata, acabou. Se o senhor falasse como um pitbull naquela época, rapidamente viraria um pequinês. Se Fátima perseguisse da mesma forma como seus apoiados faziam, pode ter certeza que você não estaria onde está e muito menos falando dessa forma.

5 – O senhor apoia Temer, Aécio e toda a banda golpista e nunca participou de nenhum ato em defesa dos trabalhadores de Quixelô. Diz que não e quando fala nega, mente. O senhor não fala, o senhor apenas grita e ninguém que pense consegue levar à sério histeria.

O blog entende que a sorte que a democracia ainda está do lado certo, por que se estivesse do seu lado ela já teria se transformado naquilo que vocês mais sabem fazer: a lei do manda quem pode e obedece quem tem juízo.

Se é assim que faz política, sugerimos retornar a alfabetização. Quem sabe com um professor novo você talvez tenha a chance de ser melhor.

Comece defendendo seu pai. Se é que isso seja possível.

Nenhum comentário: