terça-feira, 22 de agosto de 2017

Quixelô (CE): Douglas e José Roberto praticam bullying contra menor nas redes sociais

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas em pé e texto
Quem agride menor de idade e o ridiculariza publicamente pratica bullying. Foi o que aconteceu na semana passada nas redes sociais de Quixelô.
O presidente do ICEQUI, José Roberto, não bastasse perder o programa de rádio que transformou a rádio em rádio política agora faz bullying nas redes sociais junto com o doce, sensível e frágil (mentira, né?) Douglas Ribeiro filho de Chico Ribeiro (você lembra dele, né?).
Para quem não sabe o que é bullying eu vou explicar: Bullying é um termo da língua inglesa (bully = “valentão”) que se refere a todas as formas de atitudes agressivas, verbais ou físicas, intencionais e repetitivas, que ocorrem sem motivação evidente e são exercidas por um ou mais indivíduos, causando dor e angústia, com o objetivo de intimidar ou agredir outra pessoa ...
Eles se vendem como valentões nas redes sociais, mas na hora que o bicho pega são uns docinhos, para não dizer outra coisa. Chamam os outros de covardes e apagam os próprios posts, soltam indiretas e não tem coragem de dar nomes aos bois, como foi o caso do descontrolado Douglas, que é um enfermeiro formado, deveria ter nível. Não se justifica que alguém com nível superior haja de forma paranoica nas redes sociais. Procure alguém tão desequilibrado como você, Douglas. Deixem as crianças em paz!
Esse garoto vítima de bullying é o mesmo que foi demitido da Rádio Política de Quixelô, antes do Mácio por ordem na casa, o qual trabalhou 3 anos sem receber nenhum centavo, sem carteira assina, sem contrato e cuja a dívida trabalhista beira os cem mil reais. Porém, nada será feito pois o seu tio é da oposição e muito amigos de Douglas e José Roberto e assim fica por isso mesmo. Eles agem de forma covarde, apagam os posts e dão calote não pagando quem trabalhou pra eles. E é José Roberto que fala em exploração.
Uma coisa é certa: em terra de enforcado é proibido se falar de corda. E isso vale para esses dois. Se fosse seu filho, o que você faria? Eu não quero nem pensar.

Nenhum comentário: