domingo, 9 de outubro de 2016

Passando o Brasil a limpo: Justiça eleitoral rejeita o recurso de candidato a prefeito de Mococa, SP

O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) rejeitou na sexta-feira (7) o recurso do candidato a prefeito de Mococa (SP), Cido Espanha (PROS). Com isso, os votos que ele recebeu nas eleições no último domingo (2) continuam sendo considerados nulos.

A defesa de Espanha vai entrar com um agravo no próprio TRE- SP na próxima semana. Ainda não há prazo para o julgamento.

O candidato do Pros teve 19.412, mas na apuração do TSE quem aparece em primeiro lugar é Maria Ednax (PSDx) e ele com a votação zerada. Yê Baisi (DEM) recebeu 4.053 votos, mas também teve a candidatura indeferida.

Os magistrados mantiveram as decisões de primeira instância por entenderem que o candidato teve conduta enquadrada nas causas de inelegibilidade previstas na Lei da Ficha Limpa (Lei nº 135/2010) e, por isso, fica impedido de disputar o pleito.

Regras

Segundo o TRE, se os candidatos conseguirem reverter a situação no TSE, o resultado da eleição pode ser alterado e, se não conseguirem, os eleitores podem ter de voltar às urnas.

Pela regra, se o candidato indeferido tiver mais votos que o primeiro colocado, com votos válidos, tem que ser feita uma nova eleição na cidade.

Casos na região

Na quarta-feira (5), o TRE também rejeitou os recursos dos candidatos a prefeito Wagner Ricardo Antunes Filho, o Wagão (PSD), que concorria por Leme (SP), e Therezinha Servidoni (PSDB), que disputava por Rincão. Com isso, os votos que eles receberam nas eleições no último domingo (2) são considerados nulos.

Em Araras, o candidato Engenheiro Paulinho (PSD) aparece em 1º lugar na apuração, com 14.137 votos, mas Pedrinho Eliseu (PSDB), cuja candidatura ainda é avaliada pela Justiça, obteve uma adesão maior, 28.788 votos ao todo.
Postar um comentário